Encontro de Terreiros de Umbanda em Niterói busca combater a intolerância religiosa

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Niterói promove no dia 30 de junho o Encontro de Terreiros de Umbanda, no Clube de Regatas Gragoatá (Rua Coronel Tamarindo, 69 – Gragoatá, Niterói). A feira cultural contará com palestra sobre legalização de terreiros, realizada pela Defensoria Pública do Estado, entrega de homenagens e uma grande gira de umbanda. Realizado em parceria com Casa da Jurema – Mãe Lelê, Centro Espírita Caboclo Sete Flechas das Matas – Mãe Renata e Pai Bruno, Ilé Asé Omo Yemanjá – Pai Marcos de Yemanjá e Ilé Asé T’Ògún Korodé – Pai Guaraci T’Ógun Korodé, o evento acontecerá das 15h às 22h com entrada gratuita.
Entre as personalidades de destaque confirmadas no encontro estão a iyalorixá de Obaluayê Mãe Marcia Marçal, a vereadora do Rio de Janeiro Luciana Boiteux e o pastor e deputado federal Henrique Vieira. A presidente da Comissão de Direitos Humanos, da Criança, do Adolescente e da Mulher da Câmara de Niterói, vereadora Benny Briolly (PSOL) fala da importância do movimento dos povos de matriz africana.

“A nossa mobilização política é crucial para assegurar a preservação e promoção de nossa identidade cultural, debatendo sobre direitos e interesses, bem como para combater o preconceito e a discriminação que historicamente enfrentamos. Niterói é uma cidade que possui ancestralidade, que é repleta de terreiros de umbanda e candomblé, e o objetivo da atividade é reunir estas pessoas para que possamos trocar experiências, compreendendo que unidos conseguimos cobrar dos órgãos competentes as nossas demandas religiosas”, explica.

O Brasil se tornou um Estado laico há mais de 130 anos, mas os adeptos das crenças de matriz africana são os que sofrem a maioria dos ataques de intolerância religiosa no país. Dados do Disque 100, canal para notificação de violações de direitos humanos do Governo Federal, revelam que o número de denúncias aumentou 106% em apenas um ano, passando de 583, em 2021, para 1,2 mil, em 2022, uma média de três por dia. Assim, o encontro tem o objetivo de dar visibilidade para as religiões de matriz africana junto aos políticos e a toda sociedade e, em especial, visa combater toda e qualquer discriminação e intolerância com ênfase nas religiões e o povo negro.

“A umbanda é uma religião brasileira que surgiu em Niterói e tomou proporção nacional. Através de nossa organização política nos unimos em busca de melhorias sociais e econômicas. E também para influenciar a tomada de decisões políticas que afetam nossas vidas e estabelecer mecanismos de proteção contra a violência e a opressão”, reforça Benny.

Advertisement

Serviço – Encontro de Terreiros de Umbanda
Quando: 30 de junho (sexta), das 15h às 22h
Local: Clube de Regatas Gragoatá (Rua Coronel Tamarindo, 69 – Gragoatá, Niterói – RJ)
Gratuito

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Encontro de Terreiros de Umbanda em Niterói busca combater a intolerância religiosa
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. cristão não tolera a umbanda. mas nada fala de avião de igreja cheio de droga. jesus precisa voltar para dar umas boas chicotadas nos lombos dos hipócritas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui