Entidades criticam leilão da sede do BB, no centro do Rio, por falta de transparência

“Existem suspeitas de irregularidades em todo esse processo como, por exemplo, constar no edital que a avaliação em valores do imóvel é zero,” disse o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Edifício do Banco do Brasil (Foto: Divulgação Sedan)

O prédio da sede do Banco do Brasil no Rio de Janeiro, conhecido como Sedan, está indisponível para leilão. O lance seria realizado em 20 de dezembro. Segundo Rita Mota, diretora do Sindicato dos Bancários do Rio e integrante da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB (CEBB), “o movimento sindical obteve informações de que o edital foi retirado do site de lances ‘para revisão do edital.’” Segundo ela, não há nenhuma informação quanto a uma nova data de divulgação do edital. Também não há informações se o certame foi suspenso ou cancelado.  

Em 2020, a direção do Bando do Brasil já aventava a venda do edifício de 45 andares, com a justificativa de que a medida fazia parte de um plano de ajustamento de custos e modernização da instituição. Apenas em 28/11 de 2022, após a derrota de Jair Bolsonaro (PL) nas eleições presidenciais, foi publicado o edital de leilão do histórico edifício, por R$ 311 milhões.

O coordenador CEBB, João Fukunaga, afirmou que “existem suspeitas de irregularidades em todo esse processo como, por exemplo, constar no edital que a avaliação em valores do imóvel é zero.” Fukunaga apontou ainda que, durante o período de preparação do prédio para a venda, o Banco do Brasil teria alugado um imóvel no Condomínio Ventura Corporate, para colocar em funcionamento as dependências do Sedan e da BB Asset Manegement.  “Acontece que o BTG Pactual, empresa que foi fundada pelo atual ministro da Economia, Paulo Guedes, é uma das proprietárias do Condomínio Ventura. Em outras palavras, o banco coloca à venda uma estrutura própria e em bom estado, para alugar por valores milionários o local de uma empresa que tem ligação direta com Guedes”, observou João Fukunaga.

Rita Mota adiantou que o sindicato está empenhado em impedir o leilão, em razão dos pontos nebulosos que envolvem o certame. Para isso, o movimento sindical tem atuado junto a congressistas e ao governo de transição. “Queremos explicações sobre a falta de transparência e também do porquê o processo estar acontecendo de maneira apressada, além de explicações sobre o favorecimento do BTG Pactual na alocação do novo prédio”, afirmou Rita Mota.

Advertisement

Leia também

25 castelos do Rio de Janeiro que contam a História do Brasil

Estrangeiros LGBTQIA+ estão comprando todos novos imóveis de Ipanema – Bastidores do Rio

Guedes se esquiva

Paulo Guedes foi interpelado pela deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), ainda em 2020, sobre a venda da sede do Banco do Brasil e sobre os custos exorbitantes gerados com o aluguel do Condomínio Ventura Corporate, pertencente ao BTG Pactual, instituição à qual Guedes é vinculado.

Guedes teria respondido às perguntas de deputada de forma evasiva, através de em ofício enviado à Câmara, conforme explicou Rita Mota: “No documento, Guedes justificou que as medidas seriam para manter a ‘competitividade em condições de igualdade’ do BB com os demais agentes financeiros, mas sem trazer subsídios técnicos e econômicos”.

Já a direção do Banco do Brasil teria respondido à Gleisi Hoffmann, que tanto o leilão do prédio quanto a locação Ventura Corporate eram parte integrante do programa FlexyBB, lançado como um “novo padrão” de gerenciamento, que prevê também a desocupação de 19 prédios, entre locados e próprios. A resposta foi classificada por João  Fukunaga como uma evidência do desmanche do patrimônio público.

“Essa resposta da atual direção do BB foi bastante problemática, isso porque revela o desmonte de patrimônio público e não traz dados técnicos de que a manutenção de equipamentos próprios é mais cara ao banco do que o aluguel milionário de empreendimentos de terceiros sendo, curiosamente, um deles de empresa ligada a Guedes, que comanda o Ministério da Economia, ao qual o BB hoje está subordinado”, concluiu Fukunaga.

As informações são do site Contraf Cut.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Entidades criticam leilão da sede do BB, no centro do Rio, por falta de transparência

Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Leiloar patrimônio público no final extremo do mandato . . . qualquer vestígio de decência esvaiu-se. Espero que o judiciário (mesmo carente de sustentação plena, convenhamos) atue futuramente para apurar responsabilidade de quem engendrou este oba-oba e venha a punir os responsáveis.

  2. kkkkkkkkk. esse Paulão é de matar. depois de desvalorizar o real, beneficiando seus investimentos em dólar, no exterior, agora dá outra cartada de mestre, no mundo da picaretagem. e não aparece nenhum imbecil ede Brasília pra queimar carro em protesto…..

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui