Estado investe R$ 29 milhões na construção de complexos audiovisuais em cidades do interior

Com uma série de investimentos no segmento audiovisual, o Governo do Estado pretende interiorizar o acesso da população à cultura

Miracema será o primeira município a receber uma sala pronta / Divulgação

O Governo do Estado do Rio de Janeiro, através da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa (Sececrj), já investiu mais de R$ 29 milhões em salas e complexos de exibição de filmes, para levar grandes e boas produções às populações do interior do Rio, por meio dos programas Cinema da Cidade e Cine+.

Antes negligenciadas, as populações das cidades do interior fluminense agora são o foco de investimentos para a criação de um parque audiovisual fora do eixo da capital. A secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros, disse que a meta do Executivo estadual é democratizar o acesso à cultura

“Pretendemos deixar um legado no interior do estado para a população fluminense, priorizando municípios de pequeno e médio porte, que historicamente não contam com salas de cinema. Nossa meta é garantir um legado de democratização do acesso à cultura”, explicou Danielle Barros.

O Governo do Estado também está construindo seis complexos audiovisuais distribuídos pelas cidades de Cordeiro, Miracema, São Fidélis, São Pedro da Aldeia, Bom Jardim e Mendes. O valor total do investimento é de R$ 25 milhões. Além destas cidades, o Estado ainda está implantando complexos exibidores em Queimados e Tanguá, através do programa Governo Presente.

As ações da Sececrj são bem mais amplas, pois também envolvem a melhoria do ambiente de negócios, aliada a uma política de incentivos aos empreendedores do mercado audiovisual, para a exibição de filmes produzidos por profissionais da região. Miracema será o primeiro município a receber um espaço finalizado, em dezembro deste ano.

Já o programa Cine+, orçado em R$ 3,6 milhões, vai permitir a construção de novas salas de exibição em Guapimirim, Itaocara, Paraty, Areal e Casimiro de Abreu. A expectativa é de que sejam exibidos 1440 filmes por ano. Os espaços também receberão palestras sobre o audiovisual. O poder público espera ainda formar 100 jovens (20 por cidade) em Exibição Cinematográfica Independente.

As salas do Cine+ exibirão filmes autorais nacionais ligados principalmente aos direitos humanos e à educação. Os espaços poderão ser usados como salas multiuso, voltadas para ações formativas da comunidade, além de ser um local para receber apresentações das mais diversas linguagens artísticas.

O Cine + é resultado de uma parceria entre a Quitanda Soluções Criativas, Instituto BR e Marco Zero, com patrocínio da Enel e da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, via Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui