Estudantes da Uezo vão às ruas de Campo Grande pedir união à Uerj

O ato pela aprovação do projeto de lei 5071/21, que une as duas universidades, está na pauta de votação da Alerj

Estudantes, professores e técnico-administrativos do Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo), fizeram uma manifestação nas ruas do bairro de Campo Grande na manhã desse sábado (11) a favor da união da Uezo à Uerj. O ato pela aprovação do projeto de lei 5071/21, que está na pauta de votação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), contou com a participação das entidades estudantis da Uezo e da Uerj, além da União Estadual dos Estudantes (UEE), bem como de representantes de sindicatos, grupos e organizações comunitárias da Zona Oeste.

“Esse é um ato de paz, somando as nossas vozes com a voz do povo. O futuro de uma instituição, de toda uma região, está nas mãos dos parlamentares e das parlamentares da Alerj. O restante das vidas, do futuro da Juventude da Zona Oeste está nas mãos de cada um deles”, afirmou a reitora da Uezo, Luanda de Moraes, durante discurso emocionado. Segundo ela, esse é um desejo legítimo, respaldado pela comunidade acadêmica ueziana, que em agosto encaminhou proposta à Uerj solicitando a integração.

De acordo com Marcele Nascimento, aluna do curso de Engenharia de Materiais, as dificuldades enfrentadas pelos estudantes da Uezo ocorrem há muito tempo. “Desde 2008 a Uezo vem colapsando e resistindo. O que nós estamos pedindo, o que nós estamos querendo é que ela viva e dê frutos, com um ensino de qualidade na Zona Oeste”, pontuou.

Conforme o estudante Fernando Cesar, é preciso se consolidar o projeto de universidade pública em Campo Grande. “Nós estamos através da nossa mobilização mostrando o porquê é interessante essa incorporação da Uezo à Uerj, para o crescimento na nossa região. Seria muito mais prático para todos poder continuar estudando aqui”, ressaltou.

Para a ex-reitora Maria Cristina Assis, a união entre as duas instituições vai trazer transformação social para a Zona Oeste. “Que os parlamentares possam se sensibilizar pela grande necessidade e pela tremenda oportunidade que é a incorporação Uerj e Uezo”, declarou.

Os manifestantes caminharam por Campo Grande até o prédio da Moacyr Bastos, imóvel que passará a ser a nova sede da Uezo. Caso a PL 5071/21 seja aprovada pela Alerj, a Uerj já tem recursos na ordem de R$ 50 milhões, destinados à aquisição do respectivo prédio. “Por isso, apelamos que que todos votem sim, para atender as expectativas dessa juventude que almeja um futuro com educação e todos os recursos da ciência e tecnologias educacionais”, concluiu Luanda de Moraes.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui