Ex-secretário de Polícia Civil, Allan Turnowski é preso no Rio

Ministério Publico afirma que Allan tem envolvimento com esquemas do jogo do bicho; o acusado faz parte da polícia civil há 27 anos e estava licenciado do cargo de secretário para concorrer às eleições deste ano como deputado federal

Foto: Divulgação

Na manhã desta sexta-feira, (09/09), Allan Turnowski, ex-secretário de Estado de Polícia Civil e candidato a deputado federal, foi preso por suspeita de envolvimento com o jogo do bicho. O delegado estava afastado do cargo desde o início desde ano, por conta das eleições. A operação foi realiza pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio (MPRJ) com apoio da Corregedoria da instituição.

Allan Turnowski é acusado pelo Gaeco de atuar com os bicheiros Fernando Iggnácio e Rogério de Andrade. O ex-secretário ficará no Presídio José Frederico Marques, no bairro de Benfica, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Quem é Allan Turnowski

Turnowski estava há 27 anos na Polícia Civil.

Em sua passagem pela instituição ele foi diretor de Polícia da Capital e Especializada, titular das delegacias de Roubos e Furtos de Carga (DRFC); Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) e de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). Ele também foi delegado da Corregedoria Interna e da 16ª DP (Barra da Tijuca), além de várias distritais do interior do estado.

Em 2020, o delegado foi nomeado secretário de Estado de Polícia Civil, cargo que ocupou até março deste ano, quando se licenciou para concorrer nas eleições de 2022 pelo Partido Liberal.

Em sua gestão, a Polícia Civil deu início à uma força-tarefa de combate às milícias, que já prendeu mais de mil criminosos e ocasionou um prejuízo de aproximadamente R$ 2,5 bilhões a grupos paramilitares.

Foi também durante a chefia de Turnowski que a instituição realizou a operação mais letal da história do Rio de Janeiro, na favela do Jacarezinho, na Zona Norte, que terminou com a morte de 28 pessoas, entre elas, um policial civil.

Quem também é alvo da operação é o delegado Antônio Ricardo, ex-diretor da Delegacia de Homicídios. Contra ele há um mandado de busca e apreensão.

Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. No governo Cláudio Castro/Witzel é assim: até policial é contraventor.

    Como muitos policias e militares, quis aumentar ainda mais seus ganhos através da política.

    Por que será que escolhem sempre o PL? O que esse partido tem de especial para pessoas com esse perfil?

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui