Imigrantes italianos chegando ao Porto do Rio (Foto: Reprodução)

Um dos principais grupos migratórios europeus a aportarem no Brasil, em especial entre as últimas décadas do século 19 e o início do século 20, os italianos se estabeleceram principalmente na Região Sul e no Sudeste do Brasil, em grande parte no Estado de São Paulo. Pouco é sabido e estudado sobre a presença dos italianos no estado do Rio de Janeiro. É isso que a exposição Imigração Italiana para o Rio de Janeiro, que foi aberta no sábado, dia 7 de agosto, no Espaço Cultural Correios Niterói, pretende contar.

Com recursos do edital “Apoio às Universidades Estaduais – Uerj, Uenf e Uezo” da Faperj (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro), a mostra é composta por textos, documentos, fotografias, anotações, propagandas, matérias de jornais e entrevistas de imigrantes e seus descendentes. O acervo, focado na trajetória de dez famílias, revela os porquês da vinda dos italianos para o Brasil, identifica suas regiões de origem, descreve as condições da viagem e a recepção no Brasil. Muitos deles foram acolhidos na Hospedaria da Ilha das Flores, em São Gonçalo (Região Metropolitana do Rio), uma das instalações criadas para receber, fazer a triagem e o encaminhamento dos imigrantes.

Não foi apenas na cidade do Rio de Janeiro que os italianos se estabeleceram, mas também em São Gonçalo e Niterói; na Região Serrana e do Médio Paraíba (onde se instalou uma das primeiras comunidades italianas do Brasil), com destaque para o município de Porto Real; e até no Noroeste Fluminense, como na cidade de Varre-Sai, a mais distante da capital.

Mostra sobre Imigração Italiana para o Rio de Janeiro ficará em cartaz no Espaço Cultural Correios até o dia 18 de setembro (Foto: Divulgação)

Nosso objetivo é dar visibilidade para a imigração italiana no Rio de Janeiro, como foi seu enraizamento, vicissitudes e dificuldades nesse novo continente, mas, também, mostrar que as experiências do passado provocam considerações sobre o presente. Por isso, a exposição busca refletir sobre o atual cenário da Itália como receptor de imigrantes nos últimos 20 anos, em especial refugiados de todo o mundo“, esclarece Luís Reznik, coordenador do Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores, responsável pela curadoria da exposição.

O grupo, criado há mais de dez anos, é composto por professores, pós-graduandos e estudantes de graduação do curso de História da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FFP/Uerj). Apoiados por professores de outros institutos da Uerj e de outras universidades, eles se dedicam à pesquisa da imigração no Brasil e dão suporte ao Museu da Imigração da Ilha das Flores, criado em 2012 pela Marinha do Brasil.

A Faperj é a agência de fomento à ciência, à tecnologia e à inovação do Estado do Rio de Janeiro, e é vinculada à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Serviço:
Exposição: Imigração Italiana para o Rio de Janeiro
Data: entre 7 de agosto e 18 de setembro de 2021
Local: Espaço Cultural Correios Niterói (Av. Visconde do Rio Branco, 481 – Centro, Niterói – RJ)
Horário: segunda a sexta, das 11h às 18h; sábado das 13h às 17h. Não abre aos domingos e feriados. A visitação é gratuita e segue os protocolos de segurança.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui