Brinqueros de Miriti - Foto: Charles Pereira

Desde dezembro do ano passado, está em cartaz no Paço Imperial, no Centro do Rio, a Exposição Patrimônio Imaterial Brasil-Portugal, promovida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em parceria com a direção-geral do Patrimônio Cultural de Portugal (DGPC).



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

A mostra conta com o acervo de mais de 200 peças que revelam ao visitante a riqueza do patrimônio cultural imaterial brasileiro e português. Objetos de museus, peças produzidas por mestres e artesãos brasileiros e por comunidades portuguesas (que compõem a cadeia produtiva do patrimônio), incluindo peças de colecionadores, fazem parte da miscelânea cultural proposta pelo projeto.

”Trata-se de uma grande feira popular, uma feira que revela a diversidade cultural do povo brasileiro e português, seus costumes, suas tradições, seus povos”, revela Luiz Prado, idealizador do projeto.

Técnicas de produção de cerâmicas, de instrumentos musicais, de artefatos indígenas, assim como a representação de ritmos e festividades únicos, incluindo indumentárias de diversas manifestações culturais brasileiras (Complexo Cultural Bumba-Meu-Boi, Maracatus, Festival de Parintins, etc), compõem o acervo. Além disso, diversos outros tipos de manifestações culturais acolhidas pelas instituições luso-brasileiras também estarão expostos, a exemplo do fado, das matrizes do samba do Rio de Janeiro, do frevo, do modo de fazer renda irlandesa.

O patrimônio imaterial brasileiro se apresenta de diversas formas no nosso cotidiano, através de festas e celebrações, ofícios ligados à raiz da cultura brasileira, manifestações de influência indígena, negra, portuguesa, além de tantas outras. A mostra apresenta a riqueza cultural e o processo de construção destes bens que são revelados ao público através de fotos, vídeos, documentos e objetos.

Bumba-Meu-Boi – Foto: Charles Pereira

”Os elementos da exposição são o resultado de saberes, formas de expressões, celebrações e lugares que as comunidades e grupos formadores da sociedade brasileira desenvolveram no decorrer de séculos”, explica o diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial (DPI-Iphan), Hermano Queiroz.

Pao-do-Ouvidor
Cada vez mais, o Shopping Paço do Ouvidor se fortalece como ponto de encontro no Centro do Rio. Passa no Paço.

“De Norte a Sul, o Iphan atua na salvaguarda desse patrimônio imaterial. E na exposição a sociedade poderá conhecer a riqueza, a beleza e a inventividade que fazem parte do dia a dia do brasileiro.”

A exposição interativa é um convite para o visitante mergulhar no processo da cultura luso-brasileira, possibilitando uma experiência imersiva no universo cultural das manifestações retratadas. A exposição ficará em cartaz até o próximo dia 29/03, de terça a domingo, das 10h às 19h, com entrada gratuita e livre para todos os públicos.

Confecção da Louça Preta de Bisalhães – Foto: Acervo/DGPC

Para o curador, Luciano Figueiredo, a exposição permitirá o acesso do público a conhecimentos restritos das comunidades.

”Recentemente, o Iphan ampliou a catalogação de bens culturais do país, tornando a exposição dinâmica e viva, enriquecendo ainda mais o conteúdo do acervo”, destaca o historiador.

SERVIÇO

Exposição Patrimônio Imaterial Brasil-Portugal

  • Período: 19 de dezembro de 2019 a 29 de março de 2020
  • Dias e Horários: Terça a sexta, das 12h às 19h | Sábados e domingos, das 12h às 18h
  • Local: Paço Imperial
  • Endereço: Praça XV, 48 – Centro – Rio de Janeiro/RJ
  • Entrada: Gratuita
  • Classificação: Livre

MAIS INFORMAÇÕES

Bens Brasileiros

1 – Ofício das paneleiras de Goiabeiras;
2 – Arte Kusiwa – pintura corporal e arte gráfica Wajãpi;
3 – Círio de Nossa Senhora de Nazaré;
4 – Samba de Roda do Recôncavo Baiano;
5 – Modo de fazer viola de cocho;
6 – Ofício das Baianas de Acarajé;
7 – Jongo do Sudeste;
8 – Cachoeira do Iauaretê – Lugar Sagrado dos Povos dos Rios Uaupés e Papuri;
9 – Feira de Caruaru;
10 – Frevo;
11 – Tambor de Crioula do Maranhão;
12 – Roda de Capoeira
13 – Ofício dos Mestres de Capoeira;
14 – Matrizes do Samba do Rio de Janeiro – partido alto, samba enredo e samba de terreiro;
15 – Modo artesanal de fazer queijo de Minas;
16 – Modo de fazer renda Irlandesa (Sergipe);
17 – Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis
18 – Fandango Caiçara;
19 – O toque dos Sinos de Minas Gerais;
20 – Ofício de Sineiro;
21 – Ritual Yaokwa do povo Indígena Enawene Nawe;
22 – Sistema agrícola tradicional do Rio Negro;
23 – Festa de Sant’Ana de Caicó;
24 – Complexo Cultural do Bumba-Meu-Boi
25 – Saberes e práticas associados ao modo de fazer bonecas do Karajá;
26 – Rtixóró – expressão artística e cosmológica do povo Karajá;
27 – Festa do Senhor Bom Jesus do Bonfim;
28 – São Sebastião na Região do Marajó;
29 – Festa do Divino Espírito Santo de Paraty;
30 – Cajuína do Piauí;
31 – Carimbó;
32 – Maracatu Nação;
33 – Maracatu Baque Solto;
34 – Cavalo Marinho;
35 – Tava – lugar de referência para o povo Guarani;
36 – Teatro Popular de bonecos do Nordeste;
37 – Modo de fazer Cuias no Baixo Amazonas;
38 – Festa de Santo Antônio de Barbalha;
39 – Romaria de carros de boi da Festa do Divino Pai Eterno de Trindade;
40 – Coboclinho Pernambucano;
41 – Feira de Campina Grande;
42 – Tradições doceiras da região de Pelotas e Antiga Pelotas – Morro Redondo, Ituruçu, Capão do Leão e Arroio do Padre;
43 – Literatura de Cordel;
44 – Procissão do Senhor dos Passos de Santa Catarina;
45 – Sistema agrícola tradicional de comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira;
46 – Complexo Cultural do Boi Bumbá do Médio Amazonas e Parintins;
47 – Marabaixo;
48 – Bembé do Mercado.

Bens Portugueses

1 – Capeia Arraiana;
2 – Kola San Jon;
3 – Danças tradicionais da Lousa;
4 – Produção do Figurado de Estremoz;
5 – Festa em Honra de Nossa Senhora da Penha de França;
6 – Confecção da Louça Preta de Bisalhães;
7 – Endoenças de Entre-os-Rios;
8 – Conhecimentos tradicionais, de caráter etnobotânico e artesanal, utilizados no processo de produção de palitos de Lorvão;
9 – Arte-Xávega na Costa da Caparica;
10 – Festa de Carnaval dos Caretos de Podence;
11 – Artes e saberes de construção e uso da bateira avieira no rio Tejo, Caneiras;
12 – Festas do Povo de Campo Maior;
13 – Fado, canção urbana popular de Portugal;
14 – Dieta Mediterrânica;
15 – Cante Alentejano, canto polifónico do Alentejo, Sul de Portugal;
16 – Manufatura de Chocalhos;
17 – Falcoaria, Património Humano Vivo.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui