Por André Delacerda

Mar Morto O Diário do Rio traz mais duas dicas culturais para os leitores que sempre estão interessados em visitar novas exposições em cartaz na cidade.

 

A primeira é a “Mar Morto” do artista Nuno Ramos, e a segunda dica se trata da exposição “Mergulho na Imagem” da artista Ana Vitória Mussi. Ambas as exposições podem nos remeter a ambiente aquático. Confiram abaixo e vão saber por quê.

Nuno Ramos, um dos mais inventivos do panorama contemporâneo está no Rio com a exposição “Mar Morto (Soap Opera2)”, a obra, cobrirá de sabão dois barcos de pesca – com 11 e 07 metros respectivamente –, pesando duas toneladas. O processo de derretimento e endurecimento do sabão está sendo feito pelo artista no grande espaço térreo da galeria (mais de sete metros de altura de pé direito e 140 metros quadrados de área). Os barcos estão atravessados um no outro, “como uma lâmina”. Na proa de cada barco há uma caixa de som, também coberta de sabão, de onde se ouvirá o texto “Mar Morto”, feito pelo artista e lido pelo ator Marat Descartes. No outro espaço expositivo da galeria, no terceiro andar, o artista vai mostrar dois trabalhos inéditos, que ele chama de “pinturas” – grandes estruturas volumosas, de até três metros de espessura, com uma infinidade de materiais (metais, pelúcia, tecido, tinta a óleo, dentre outros) –, que Nuno realiza desde 1988. Um dos trabalhos mede 5,80m x 2m x 3m e o outro, 5,30m x 2,30m x 3,5 metros. No terraço, dentro do contêiner, o público poderá ver o vídeo “Casco”, feito em 2004 em parceria com Gustavo Moura.

 

Mergulho na Imagem Já temos ai a primeira ligação aquática nesta exposição que são os barcos. Então vamos nos debruçar por mais uma, que mistura piscina e televisão.

 

A artista Ana Vitória Mussi, criou especialmente para esta mostra, a instalação “Mergulho na Imagem”, composta por uma parede de 99 tijolos de vidro, com 1,80m de comprimento por 2m de altura, formando uma única e grande imagem – o salto de uma atleta em uma piscina. A foto foi tirada da televisão, com a máquina Nikon FM2, e aplicada fragmentada nos tijolos. O tijolo de vidro utilizado pela artista em seu trabalho tem camadas internas que, de acordo com o ponto de vista do espectador, podem provocar uma leve distorção da imagem.

 

Ao utilizar fotos feitas da televisão e tijolos de vidro, a artista une duas pesquisas que vem desenvolvendo há alguns anos. Para ela, os dois têm muitas semelhanças.

“Quando olho para o tijolo de vidro, lembro imediatamente do monitor da televisão. Ambos têm o mesmo formato, têm transparência, têm movimento.”

Serviços:

Nuno Ramos – Mar Morto: 19 de março a 16 de maio de 2009

Anita Schwartz Galeria de Arte – Rua José Roberto Macedo Soares, 30, Gávea

Horário: 10h às 20h, de segunda a sexta, e das 11h às 17h, aos sábados

Entrada franca

 

Ana Vitória Mussi – Mergulho na Imagem:1º de abril a 30 de maio de 2009

Galeria Tempo – Av. Atlântica, 1782 / loja E  Copacabana  (ao lado do Copacabana Palace)

Horário: De segunda a sexta, das 12h às 19h, Sábado, das 16h às 19h

Entrada Franca

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui