Fechamento de abrigo feminino na Tijuca provoca críticas de frequentadoras

Mulheres em situação de rua, que utilizavam o local, enfrentam realocação controversa enquanto o espaço de acolhimento é convertido para atender somente homens

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Moradora em situação de Rua
Espaço de acolhimento para mulheres em situação de rua fecha na Tijuca. Reprodução: Tânia Rêgo/ Agência Brasil.

Na última segunda-feira (08), a Prefeitura do Rio de Janeiro fechou um abrigo na Tijuca, Zona Norte do Rio, que era dedicado exclusivamente ao acolhimento de mulheres em situação de rua. O espaço, na Rua Haddock Lobo, será convertido agora em um ambiente de acolhimento para pessoas do sexo masculino.

Ao Jornal G1, as frequentadoras do local declararam que estão sendo prejudicadas com o fechamento do albergue devido aos vínculos que possuem com o bairro. “Eu vou para o abrigo na Ilha do Governador e faço tratamento aqui na Tijuca. Vai me atrapalhar muito. Já estou aqui há 4 anos”, expôs Rosana Rodrigues, 48 anos, paciente no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) Mané Garrincha, localizado no bairro do Maracanã, ao jornal.

O Centro Provisório de Acolhimento (CPA) V foi inaugurado em 2020, durante a pandemia de Covid-19, como um dos três abrigos exclusivamente destinados às mulheres, oferecendo um total de 76 vagas. No entanto, segundo as mulheres que frequentam o local, as vagas são consideradas insuficientes para atender a demanda da população em situação de rua.

Advertisement

Também ao G1, Leo Motta, um ex-morador de rua que trabalha em projetos sociais com mulheres em situação de vulnerabilidade, destaca que o fechamento do abrigo representa um grande problema para essa população feminina de rua.

“Retirar a população feminina, que não é o corpo mais vulnerável da calçada uma vez todos são vulneráveis, mas é o corpo mais exposto, para se transformar em abrigo masculino é uma péssima ideia. São aquelas que carregam diversos traumas. São violentadas. Fisicamente, verbalmente, mentalmente o tempo inteiro. A rua é casa de muitos, mas não deveria ser de ninguém”, ressalta o ex-morador de rua ao G1.

Em nota, a Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) comunicou que, ao analisar o perfil das mulheres atendidas na unidade ao longo de um ano, constatou que a maioria necessitava de cuidados prolongados. A taxa de ocupação do albergue, segundo os registros internos, não alcançava seus objetivos de maneira satisfatória.

De acordo com a SMAS, houve a transferência para unidades especializadas no atendimento a mulheres em maior situação de vulnerabilidade na nossa cidade, em colaboração com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS)

A direção do CPA da Tijuca propôs como alternativa de realocação as duas Unidades de Reinserção Social (URS) apenas femininas. A URS Irmã Dulce, no Rio Comprido com apenas 16 vagas, e a da URS Ilha do Governador, onde a capacidade será aumentada para 100 vagas.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Fechamento de abrigo feminino na Tijuca provoca críticas de frequentadoras
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui