Federação Israelita do RJ lança site para denúncias contra atos e mensagens antissemitas

De acordo com a instituição, denúncias que configuram ataques à comunidade judaica têm aumentado após o último dia 07/10, quando o grupo palestino Hamas atacou Israel e deu início ao atual conflito no Oriente Médio

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Manifestação em apoio a Israel na orla de Copacabana - Foto: Divulgação/Fierj

A Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro (Fierj) lançou recentemente um site oficial voltado a denúncias contra atos e mensagens antissemitas.

A criminalista Rachel Glatt está assumindo a Procuradoria-Geral da Fierj e atuará em casos que serão denunciados às autoridades da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), da Polícia Civil do RJ.

Vale ressaltar que denúncias à Fierj que configuram ataques à comunidade judaica têm aumentado após o último dia 07/10, quando o grupo palestino Hamas atacou Israel e deu início ao atual conflito no Oriente Médio.

No município do Rio, especificamente, a Fierj tem atuado para apagar pichações contra judeus e, também, para apurar crimes praticados na internet.

Advertisement

”Acabamos de lançar o site e já estamos recebendo dezenas de mensagens. Desde ontem [terça-feira, dia 31/10] foram 30. Vamos analisar cada conteúdo cuidadosamente. Sentimos a necessidade de facilitar o contato com quem nos procura, pois as denúncias têm crescido. Para se ter uma ideia, havia em média, antes do dia 07/10, de 5 a 8 denúncias por mês. Porém, até 18/10 – ou seja, em 11 dias -, recebemos 87 denúncias. Isso nos colocou diante da emergência de facilitar o acesso a um canal de denúncias que garante o sigilo do nome e dos dados de quem nos procura. Queremos evitar e combater toda forma de violência racista e antissemita”, afirma Alberto David Klein, presidente da Fierj.

Cargo criado na instituição

Diante do aumento exponencial do número de denúncias antissemitas nas rede sociais, a Fierj criou uma Procuradoria-Geral. Para assumir o cargo, foi indicada a criminalista Rachel Glatt. Nos últimos 5 anos, ela foi responsável por casos emblemáticos contra o antissemitismo e, diante do aumento crescente, passa a liderar um time de voluntários.

”Não vamos permitir que haja antissemitismo no Rio de Janeiro. Vamos combater cada um dos casos com todo nosso empenho”, diz Glatt.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Federação Israelita do RJ lança site para denúncias contra atos e mensagens antissemitas
Advertisement
lapa dos mercadores 2024 Federação Israelita do RJ lança site para denúncias contra atos e mensagens antissemitas
Advertisement

3 COMENTÁRIOS

  1. O vitimismo não pode ser argumento para dizimar o povo Palestino que é oprimido por anos e anos. O terrorismo assim com o genocídio precisam vigorosamente ser combatidos. Solidariedade ao povo Palestino

  2. Sionismo não tem nada ver com a religião.

    Toda solidariedade e força ao povo Palestino que estão sendo massacrados com um genocídio executado com apoio de um país imperialista.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui