Festival da Desordem na Edgar Romero leva caos a Madureira

Famosa avenida que beira o Mercadão de Madureira é tomada por camelôs ilegais e a desordem é tamanha que até o comércio regular resolveu jogar as posturas municipais para o alto. Ordem Pública culpa a presença do crime organizado na região.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Os camelôs tomaram conta de vez da tradicional Avenida Ministro Edgar Romero, em Madureira, e mais que disputam espaço com os lojistas: passaram a ser os verdadeiros protagonistas do comércio do bairro, que vem decaindo e se acabando frente à desordem . A via é totalmente tomada por clandestinos vendendk itens que vão desde frutas a acessórios, sem sequer respeitar a proximidade com o concorrente direto, sem procedência, sem garantia e sem pagar impostos e gerar emprego.

É fruteiro em frente ao supermercado, venda de pãp de forma, e até produtos que demandam refrigeração ficam ali sob o sol escaldante como pizzas e iogurtes. Não há nenhum controle sanitário. Tudo isso sem serem incomodados; é como se o poder público houvesse sido abolido na região. Há lojista que aproveita até a estrutura do próprio camelô vizinho para apoiar a prateleira externa com itens domésticos: sim, já que os camelôs fazem o que querem, tem lojista que, pra não falir, vira uma espécie de quase-camelô. Os preços dos ilegais são – claro – sempre bem mais em conta do que no mercado oficial. “Tem itens que eu só compro no camelô e complemento com o que não encontro no mercado”, diz a dona de casa Maria Falcão, de 59 anos.

Ao passarmos em frente de alguns dos camelôs, há quem peça para o fotógrafo do DIÁRIO DO RIO fotografar o momento, como se estivesse tudo dentro da lei. Na passarela do trem, mais desordem – e os camelôs que tomam a estreita passagem são mais frequentes do que passageiros às 15h.

DSC 9086 1 Festival da Desordem na Edgar Romero leva caos a Madureira
Camelôs vendem itens sem refrigeração a preços desleais bem em frente a supermercado sem serem incomodados no meio da calçada. Foto: Daniel Martins

Questionada, a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) declarou, em nota, que realiza operações de ordenamento frequentes em Madureira, inclusive na Edgard Romero, mas destaca que a região sofreria forte influência do crime organizado, o que serviria como uma espécie de licença para a desordem absoluta.

Advertisement

Leia também

Estrangeiros LGBTQIA+ estão comprando todos novos imóveis de Ipanema – Bastidores do Rio

TransBrasil inicia operações neste sábado, da Penha ao Terminal Gentileza

A Seop também declarou que, nas ações realizadas em 2023, foram apreendidos milhares de itens como bebidas, artigos de vestuário, botijões de gás, grandes estruturas, entre outros, inclusive mais de 100 mil itens falsificados em um depósito clandestino de ambulantes irregulares. O órgão da Prefeitura ainda garante que novas ações seguirão sendo realizadas na região.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Festival da Desordem na Edgar Romero leva caos a Madureira

VIAAmanda Raiter
Avatar photo
Formada em Comunicação Social desde 2004, com bacharelado em jornalismo, tem extensão de Jornalismo e Políticas Públicas pela UFRJ. É apaixonada por política e economia, coleciona experiências que vão desde jornais populares às editorias de mercado. Além de gastar sola de sapato também com muita carioquice.
Advertisement

3 COMENTÁRIOS

  1. Qual a novidade? Desde o comerciante que não investe em melhoria de ambiente para manter status de comercio popular para reduzir custos, passando pelo administrador público que tem nesses polos de comércio currais eleitorais fartos de cordeiros que se oferecem no sacrifício de votar nesses lobos. Ó resultado é o padrão 5o.mundo de comércio.

  2. Precisa dar uma passeada na avenida Itaóca, trecho da Nova Brasília até Inhaúma. Vários barracas ocupando calçadas e parte da via. Fica intransitável. Dificultando a mobilidade do trânsito.

  3. É assim no RJ todo. Onde tem milícia e tráfico tem comércio ilegal. Junta isso com a necessidade da pessoa ter o mínimo para sub existir (moradia, alimentação, saúde)…Pronto, o caos perfeito.

    Se houvesse empregos, salários valorizados e estado ao invés de poderes paralelos isso não aconteceria, mas muita gente lucra com isso. Empresários, políticos, polícia, etc.

    Triste.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui