Fiocruz diz que agentes de carros do fumacê desenvolvem doenças graves por causa de aplicação

Relatório aponta que centenas de agentes de saúde estão contaminados e com o sistema imunológico bastante comprometido

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Reprodução/TV Globo

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontou que agentes de combate a endemias que trabalham com o carro do fumacê têm tido doenças graves por conta das substâncias venenosas usadas para o controle de mosquitos. O relatório aponta que centenas de agentes de saúde estão contaminados e com o sistema imunológico bastante comprometido.

O documento destaca ainda que os servidores desenvolveram doenças cardiovasculares, hipertensão, doenças respiratórias, depressão e cânceres, entre outras, devido ao contato e à exposição a substâncias químicas como o agrotóxico Malathion, usado para o controle de vetores patológicos no Rio, como os mosquitos que transmitem a dengue. A pesquisa durou 6 anos.

Na manhã desta segunda-feira (10/06), deputados e sindicatos que representam esses trabalhadores debateram o tema, durante audiência pública em um auditório da Escola Nacional de Saúde Pública, em Manguinhos, na Zona Norte, pesquisadores da Fiocruz,

As denúncias de exposição e contaminação de servidores a produtos tóxicos têm como base dados apresentados nesta segunda. A pesquisa contou com a colaboração de pesquisadores de diferentes instituições públicas, estudantes de pós-graduações e iniciação cientifica e sindicatos, com o apoio do Ministério da Saúde.

Advertisement
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Fiocruz diz que agentes de carros do fumacê desenvolvem doenças graves por causa de aplicação
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui