Firjan recorre ao Poder Público para buscar solução para SESI de Honório Gurgel

Área de 35 mil m² abrigou diversos serviços de educação e lazer por quase 40 décadas

Já vão completar seis anos sem um destino definitivo para o SESI de Honório Gurgel, na Zona Norte, desde que a unidade fechou definitivamente as portas em 2017, época em que várias indústrias saíram do Rio de Janeiro para outros estados em busca de condições fiscais mais favoráveis. O espaço, que abrigou por 37 anos um complexo de serviços de educação e lazer, com piscina e quadra de esporte, ainda é alvo de debate da sociedade com gestores do Sistema S, da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

De acordo com o órgão da iniciativa privada, desde que foi fechado de vez, a instituição tem feito ações junto aos governos estadual e municipal para encontrar a melhor destinação para o espaço, considerando as necessidades da população local. Ainda segundo a Federação, as atividades tiveram que ser interrompidas em função de questões operacionais, econômicas e de segurança dos frequentadores e funcionários.

Atrás do terreno, encontra-se ainda parte arborizada próxima à Via Light, que liga o Rio a Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e que pode ter acesso à Avenida Brasil ainda no Governo Castro, empossado no último domingo (01/01).

A região já conta com shopping no bairro vizinho e, por isso, a intenção dos moradores é que o clube seja reativado. “Sentimos falta das atividades de natação, hidroginástica, cursos de qualificação profissional, atendimento de saúde odontológica e homeopatia. Os jovens então da piscina e do futebol”, relata a assistente social Vânia Dutra, de 52 anos, integra o movimento de moradores em prol da volta do SESI ao lado da Esther Azevedo, de 23, que inclusive aprendeu a nadar na piscina da unidade de Honório Gurgel.

Vizinhos contam que o espaço chegou a ficar sem manutenção no ano passado, com água acumulada na piscina, mas, em meados de dezembro, os administradores resolveram a questão, esvaziando o espaço. A assessoria do SESI relata, em nota, que os serviços de manutenção tiveram que ser interrompidos temporariamente para preservar a segurança das pessoas, já que houve violência contra equipes e as instalações. A polícia chegou a ser procurada em todos os casos. A Federação ainda completa que a manutenção está mantida desde então e tem aberto diálogo com as lideranças locais.

Formada em Comunicação Social desde 2004, com bacharelado em jornalismo, tem extensão de Jornalismo e Políticas Públicas pela UFRJ. É apaixonada por política e economia, coleciona experiências que vão desde jornais populares às editorias de mercado. Além de gastar sola de sapato também com muita carioquice.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui