Força-tarefa cumpre mandados para descobrir de onde veio poluente que deixou 2 milhões de pessoas sem água

Agentes saíram para cumprir mandados de busca contra 16 empresas que utilizam tolueno em seu processo de produção

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Reprodução/TV Globo

Nesta segunda-feira (08/04), uma força-tarefa do governo do RJ iniciou a Operação Águas Claras, que visa identificar de onde veio a substância que deixou 2 milhões de pessoas sem água por pelo menos 3 dias na Região Metropolitana do Rio de Janeiro na semana passada.

Agentes da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) e da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD), com apoio de outras unidades da Polícia Civil e do Inea, saíram para cumprir mandados de busca contra 16 empresas que utilizam tolueno em seu processo de produção — 14 delas ficam no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Numa das primeiras empresas fiscalizadas, o local foi periciado pela polícia, e o responsável técnico da empresa foi conduzido para a delegacia.

A Justiça também determinou a apreensão nesses locais de amostras de tolueno, a fim de compará-las com o material coletado pela Cedae no manancial de Imunana-Laranjal.

Na última quarta-feira (03/04), a Cedae teve de parar a captação de água na Estação de Imunana-Laranjal ao identificar no manancial altas concentrações de tolueno, solvente altamente danoso à saúde se ingerido ou inalado. O sistema fornece água tratada às cidades de São Gonçalo, Niterói e Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio, além parte de Maricá, na Região dos Lagos, e à Ilha de Paquetá, na capital.

Advertisement
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Força-tarefa cumpre mandados para descobrir de onde veio poluente que deixou 2 milhões de pessoas sem água
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Tai!
    O maior produtor de petróleo e gás do Brasil não tem nem dinheiro para investir em segurança do meio ambiente! E tudo isso porque os bilhões que saem daqui do Rio TODOS OS ANOS da produção de petróleo e gás quando chega em Brasília vai a maior parte desses bilhões para São Paulo, estados Sulistas e Minas Gerais, deixando uma mixaria para o estado Fluminense.
    O que sobra é essa sabotagem contra o maior produtor de petróleo e gás do país.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui