Fred Luz diz que Rio tem potencial ‘monumental’, mas que precisa ser gerido competentemente

Candidato do Novo à Prefeitura do Rio, Fred Luz promoveu carreata neste domingo (08/11) na Zona Sul

Fred Luz em carreata pela Zona Sul do Rio neste domingo (08/11) - Foto: Divulgação

Neste domingo (08/11) , o último da campanha eleitoral no 1º turno, o candidato a prefeito do Rio de Janeiro Fred Luz (Novo) participou de carreata pelas ruas dos diversos bairros da Zona Sul da capital fluminense, acompanhado de candidatos a vereador pelo seu partido. Às 12h, como acontece diariamente, entrou na live do ”Programa Sou Fred Luz”, a 14ª da série, quando conversou com o ex-jogador do Flamengo Tita, campeão mundial de 1981, sobre as saídas para resolver os grandes problemas da cidade.

”Para um time ser bom, é preciso ter dinheiro para investir. Se não houver disciplina na gestão, os objetivos não são atingidos. O Rio tem um potencial monumental, mas precisamos de uma gestão séria, competente, com tolerância zero com a corrupção”, disse o candidato, fazendo uma comparação com o Flamengo, clube do qual foi diretor-geral, na fase em que se tornou o mais rico do Brasil, após passar por um choque de gestão.

Fred Luz lembrou que definiu em seu plano de governo o que chamou de missões, as propostas consideradas prioridade zero da gestão: fazer com que as crianças do Ensino Fundamental aprendam a ler e escrever, eliminando o analfabetismo funcional, cujos índices hoje são altos na rede municipal de Educação; fazer com que a rede de Saúde tenha performance semelhante à da rede privada, quadruplicando a capacidade de atendimento, e melhorar este atendimento com uso de tecnologia, para que os pacientes possam marcar consultas, exames e cirurgias pelo celular; acertar as contas da Prefeitura com redução de gastos e as reformas administrativa e da previdência; estimular o desenvolvimento econômico, apoiando empresas para que operem no Rio; e liderar um plano de segurança integrado, com a participação dos governos federal e estadual, para reduzir os índices de criminalidade e fazer o ordenamento urbano da cidade.

O roubo de cargas no Rio, um dos motivos que afugenta as empresas, foi lembrado por Tita, que citou como exemplos as empresas Azul e Walmart. No primeiro caso, a companhia aérea desejava instalar seu escritório-central no município, mas decidiu se fixar em Campinas porque não concordou com o ”pedágio” cobrado pelo então governador Sérgio Cabral, de acordo com o ex-jogador. No segundo, o roubo de cargas fez com que a empresa deixasse de operar no Rio.

”Quem perde com isso não são só as empresas, mas todos os cariocas, porque são vagas de trabalho que se fecham”, lamentou Fred Luz.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui