Fundo Viva Água destina R$ 1,3 milhões à ações ambientais na Baía de Guanabara

Através da iniciativa, projetos sociais, de preservação ambiental e de aceleração receberão aporte financeiro das empresas apoiadoras

Ilhota Baía de Guanabara / Foto: Roberto Anderson

O Fundo Viva Água, que conta com o apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, do Instituto humanize e do Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), receberá um aporte de R$ 1,3 milhões para projetos que impactem de forma positiva a Baía de Guanabara e os 17 municípios do seu entorno. Através da iniciativa, as empresas pretendem dar suporte a projetos sociais, de preservação ambiental e de aceleração, além de promover a capacitação de empreendedores locais.

O Fundo Viva Água contará com duas modalidades de apoiamento: doações destinadas a projetos ou capital para negócios sustentáveis; e empréstimos para empreendimentos que gerem impacto positivo na região. Os créditos poderão ser negociados na plataforma de empréstimos criada pela instituição, com juros e taxas acessíveis aos empreendedores e retorno financeiro compatível aos registrados no mercado para os investidores.

O Fundo contará ainda com área de pesquisas destinada ao mapeamento de problemas e elaboração de soluções adequadas às especificidades da Baía de Guanabara e do seu entorno.

A diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, Malu Nunes, declarou que, apesar de os desafios enfrentados pela Baía de Guanabara serem gigantescos, a Fundação Grupo Boticário tem plena ciência que eles são superáveis desde haja “cooperação entre diferentes níveis de governo, empresas e organizações da sociedade civil.”

“Sabemos que a recuperação da Baía de Guanabara é complexa e exige a cooperação entre diferentes níveis de governo, empresas e organizações da sociedade civil. Por isso, continuamos unindo forças, gerando conhecimento, estabelecendo conexões e espaços de convergência para promover um impacto positivo e concreto para toda a população do entorno da Baía”, disse a executiva.

Os projetos Fundo Viva Água e LAB Viva Água integram as estratégias de atuação ambiental do Movimento Viva Água que, em dezembro, completou 1 ano de atuação. O LAB Viva Água, que é voltado para a restauração da Baía de Guanabara, já prestou apoio a várias iniciativas voltadas para o desenvolvimento de cadeias produtivas sustentáveis, como o turismo responsável; a agroecologia, que promove a restauração dos ecossistemas locais; e a meliponicultora, voltada para a criação de abelhas sem ferrão.

Participaram do LAB mais de 160 pessoas de todo o país, entre produtores rurais, empreendedores, ambientalistas, pescadores, artesãos e pesquisadores. Ao final das atividades, três iniciativas inovadoras foram selecionadas para receber um financiamento de R$ 800 mil.

As informações são do Diário do Porto.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui