Para que uma das construções mais grandiosas do Rio de Janeiro ficasse pronta, foi precioso derrubar muitas outras edificações. O passado mostra que a evolução da Cidade Maravilhosa é marcada por demolições. No entanto, nunca antes na história carioca se derrubou tanto para que uma obra fosse concluída. Entre diversos outros fatos esse é o mais marcante da memória da Avenida Presidente Vargas.

Projetada no final dos anos 1930, durante a ditadura do Estado Novo, a Avenida ficou pronta em sete de setembro de 1944, três anos após o início das obras – tempo recorde para época. Não diferente de obras públicas atuais, essa também custou uma fortuna: cerca de 270 mil contos de réis.

Projeto

Ao ver o desenho de uma grande via que propunha cortar o centro da cidade e liga-lo a zona norte, o então presidente da república, Getúlio Vargas, enxergou ali mais um projeto faraônico para seu governo. Entretanto, essa ideia já existia há tempos na cabeça de outro estadista do Brasil.

Canal do Mangue

No século XIX, um trajeto até a ainda afastada e pouco habitada zona norte era percorrido por Dom João. O Caminho das Lanternas, aberto pelo arquiteto francês Gradjean de Montigny, era uma via que passava pelo Mangual de São Diogo (Canal do Mangue) e ia do Campo de Santana – que na época ainda era Campo da Aclamação – até a Quinta da Boa Vista.

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

O citado Canal do Mangue fora de extrema importância em meados dos anos 1800. Dom João desejava uma área navegável que ligasse o mar ao Rocio Pequeno, atual Praça Onze de Junho. A obra do Mangue ainda é considerada uma das maiores reformas de saneamento básico da história da cidade do Rio de Janeiro.

Bota Abaixo para construção da Presidente Vargas

Para que a Avenida Presidente Vargas pudesse ter carros andando – um dos maiores desejos de Vargas, que incentivava o consumo de veículos automotores -, muitos prédios precisaram ser amputados. Mais de 500 construções foram derrubadas durante as obras, entre elas a antiga sede da prefeitura, partes da Praça Onze (onde aconteceram os primórdios dos desfiles de escolas de samba), um trecho do Campo de Santana, além de ruas inteiras, como a General Câmara, São Pedro, Visconde de Itaúna e Senador Eusébio.

Igreja de São Pedro

Isso sem contar históricos templos religiosos. As igrejas do Bom Jesus do Calvário, de Nossa Senhora da Conceição, a Capela de São Domingos e a Igreja de São Pedro (construída por Mestre Valentim em meados dos anos 1700) foram demolidas. A Igreja da Candelária quase teve o mesmo castigo, mas foi decidido que ela ficaria na Avenida.

“A VONTADE DE FAZER UMA VIA PARA PASSAR PELO CENTRO E CHEGAR À ZONA NORTE ERA UM DESEJO ANTIGO, PORÉM, A CONSTRUÇÃO DA PRESIDENTE VARGAS EXTRAPOLOU MUITOS LIMITES. BOTOU NO CHÃO A PROPOSTA DE URBANIZAÇÃO DE PEREIRA PASSOS, QUE PLANEJAVA ESSA LIGAÇÃO ATRAVÉS DA RODRIGUES ALVES PELA MARECHAL FLORIANO, SEM PRECISAR DERRUBAR TANTO” DISSE O HISTORIADOR MAURÍCIO SANTOS.

Contrariando os tempos passados, atualmente a Avenida Presidente Vargas abriga diversas construções de extrema importância para a cultura, mobilidade, comércio e outros assuntos que ajudam a deixar essa cidade cada vez mais maravilhosa.

1 COMENTÁRIO

  1. Meu sonho é um dia ver a Presidente Vargas se tornar uma espécie de Avenida Paulista no centro do Rio. Culturalmente viva, com museus, exposições, eventos, festivais, prédios comerciais, residenciais, boa culinária, lojas, paisagismo, arquitetura e estética gritantes e com shoppings centers de grande porte. Garantir a circulação e o movimento de pessoas até mesmo a noite. O VLT na região da Candelária deixou a área com mais ares de cidade grande cosmopolita. O problema é que o abandono da região pelo governo municipal e a falta de investimentos, criatividade e inovação até da iniciativa privada tornam o sonho da Presidente Vargas de ter ares cosmopolitas inviável fazendo com que a realidade da Presidente Vargas hoje seja um abandono total (tomemos como exemplo a situação da Central do Brasil que atualmente se tornou um lixão a céu aberto e uma região periférica). Triste.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui