Gonçalves Dias em 1883
Gonçalves Dias em 1883

Movimentada rua do centro da cidade do Rio de Janeiro, a Gonçalves Dias se desenvolveu sem perder seu encanto histórico, o que dá a ela um charme especial.

Quando ainda era chamada de Rua dos Latoeiros, a Via foi cenário para um fato histórico do nosso país: a prisão de Tiradentes, encontrado pelo tenente Francisco Vidigal, em 1789. O Alferes se escondia na casa de Domingos Fernandes.

A Rua era chamada Latoeiros porque muitos dos ferreiros da cidade do Rio de Janeiro se concentravam lá.

Gonçalves Dias em 1883
Gonçalves Dias em 1883

Em fevereiro de 1865, houve a mudança de nome. A Câmara decidiu homenagear o poeta maranhense Gonçalves Dias, que viveu na Via por muitos anos. Há quem defenda que foi lá que ele escreveu “Os Timbiras”, considerada sua maior obra.

No ano 1868, saiu da Gonçalves Dias o primeiro bonde rumo à Zona Sul da cidade. Um marco na nossa história que revolucionou o sentido de transporte no Rio de Janeiro.

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

Anos mais tarde, mais precisamente em 1894, dois portugueses fundaram a Confeitaria Colombo, a principal confeitaria da cidade do Rio de Janeiro.

No fim do século XIX, a Rua era um dos principais pontos do comércio de luxo da cidade. Roupas e joias caras eram vendidas aos montes na Gonçalves Dias.

Das ruas do centro da cidade do Rio de Janeiro, a Gonçalves Dias foi uma das que saiu praticamente ilesa após as reformas de Pereira Passos, no início do século XX. Até hoje a Via mantém o tamanho original.

hoje é uma rua muito comercial

“Em 1920, a Rua ganhou um mercado de flores, que foi remodelado em 1965. Entre flores e confeitos a Rua se tornou uma das mais movimentadas do centro. E sem perder seu charme tricentenário. Que a Gonçalves Dias passe mais 300 anos rindo na cara de quem acha que para se fazer o novo, o velho precisa ser demolido”, afirma o historiador Milton Teixeira.

3 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom ler essas histórias. Infelizmente ,no Brasil,para ter orogresso,derrubam tudo. Por não fazer como eu Ouro Preto,por ex.? É uma pena. Soube que a casa onde Machado de Assis nasceu,caiu, acabou. Machado eu amo. Foi o maior escritor de língua porruguesa. Só comparo ele,ao poetufues,Eça de Queiroz. É muito descaso com a própria história, e uma mentalidade muito atrasada.O RJ era para ser uma cidade muito mais bonita. Hó! Gente burra!

  2. A desinformação e falta de interesse no nosso país é muito acentuada, a nossa história é muito rica e as pessoas tinham que se informar do legado de D. Pedro II. Um dos maiores brasileiro de todos os tempos em que a república foi criada para destruílo e dar início a destruição do nosso país.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui