História do Edifício Santos Dumont

História do Edifício Santos Dumont

17 de abril de 2016 0 Por Felipe Lucena
Compartilhe

Edifício Santos dumont

Inaugurado como o edifício com o maior número de andares da cidade do Rio de Janeiro, o Edifício Santos Dumont foi de espaço militar a centro comercial. Entre outras boas histórias.



Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário da Cidade do Rio de Janeiro, a Sérgio Castro Imóveis apoia construções e iniciativas que visam o crescimento da Cidade Maravilhosa sem que as características mais simbólicas do Rio se percam

Em 1970, no auge da ditadura militar, o Clube da Aeronáutica realizou uma concorrência para escolher a empresa que construiria sua sede. O projeto apresentado pela Servenco – Serviços de Engenharia Continental – venceu.

História do Edifício Santos Dumont

As obras começaram no mesmo ano. Contudo, não foram fáceis. Logo abaixo da superfície de onde foi construído o prédio, se encontrava a base de um antigo cais, dos tempos que a Rua Santa Luzia ainda era banhada pelo mar. O espesso muro de pedra alcançava até 9 metros de profundidade.

História do Edifício Santos Dumont 2

Os anos 1970, foram marcados por obras grandes, faraônicas, apoiadas pelos militares. Em uma escala menor, mas não menos simples, foi feito o Edifício Santos Dumont, uma obra muito complicada para a época”, frisa o historiador Maurício Santos.

Obra Edifício Santos Dumont

A difícil obra acabou cinco anos mais tarde, em 1975. O Santos Dumont foi inaugurado com 141 metros de altura e 45 andares, sob a alcunha de Sede do Clube da Aeronáutica. Nesse ano, era o edifício com o maior número de andares da Cidade do Rio de Janeiro.

História do Edifício Santos Dumont 3

Dono de uma silhueta esbelta e com 4.400 janelas, o prédio ganhou o status de monumento e logo se tornou um ponto referencial do centro da cidade do Rio.

Edifício Santos dumont

Ainda no contexto inovador e impressionante do edifício, no Santos Dumont seria construído o primeiro restaurante giratório da América do Sul, onde os visitantes e clientes, sentados em suas mesas, vislumbrariam, durante uma hora, 360º da raríssima beleza da Cidade Maravilhosa. Foi o La Tour que funcionou entre 1976 e 1993. O estabelecimento ficava em uma espécie de plataforma que girava com um sistema de engrenagens. Ele girava bem devagarinho, eram necessários 70 minutos para um giro completo.

Vista do terraço de Edifício Santos Dumont com destaque para Pão de Açúcar e aeroporto - Luiz Ackermann Agência O Globo

Embora o restaurante giratório não funcione mais, vista bonita não é problema no prédio. “Do pavimento de cobertura pode ser vislumbrada toda a beleza da cidade do Rio de Janeiro – a baía de Guanabara, o maciço da Serra da Carioca, a região serrana fluminense, o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor, a Ponte Rio-Niterói, o estádio do Maracanã, Niterói, parte da Zona Norte e subúrbios, o Aterro do Flamengo e todo o Centro da cidade”, informa um comunicado oficial do Santos Dumont.

Alguns anos depois da inauguração, a sede do Clube de Aeronáutica retornou às suas antigas instalações na Praça Marechal Âncora. Isso fez com que o prédio passasse a se chamar, de fato, Edifício Santos Dumont e se tornasse um espaço comercial.

Entre os inquilinos do Santos Dumont estão empresas de comunicação, escritórios de advocacia, entre muitos outros.

Felipe Lucena é jornalista, roteirista e escritor. Filho de nordestinos, nasceu e foi criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Apesar da distância, sempre foi (e pretende continuar sendo) um assíduo frequentador das mais diversas regiões da Cidade Maravilhosa.


Compartilhe