Hospital da Uerj oferece atendimento especializado e gratuito para pacientes com dores de cabeça

Segundo a neurologista Cristiana Goes, coordenadora do Ambulatório do Hupe, desde 2013, cerca de 60 pessoas procuram o atendimento por mês e a enxaqueca é a queixa mais comum

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto Cleomir Tavares / Diario do Rio

O Ambulatório de Neurologia do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), atende gratuitamente indivíduos que sofrem com cefaleia, mais conhecida como dor de cabeça. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC), aproximadamente 17% da população mundial é afetada regularmente por dores de cabeça e a cada 10 pessoas, pelo menos duas sofrem de enxaqueca, um dos tipos de cefaleia.

Segundo a neurologista Cristiana Goes, coordenadora do Ambulatório do Hupe, desde 2013, cerca de 60 pessoas procuram o atendimento por mês e a enxaqueca é a queixa mais comum.

“No ambulatório, oferecemos o tratamento agudo, com medicação apropriada, que é para os casos de crise, e o tratamento profilático, focando na prevenção, empregando técnicas de relaxamento e trabalhando a mudança de hábitos que desencadeiam a cefaleia“, explica Goes.

Em geral, as cefaleias são classificadas como “primárias” ou “secundárias”. Os principais exemplos do primeiro grupo são: a enxaqueca, que causa dor de moderada a grave; a cefaleia tensional, com dores de leves a moderadas; a cefaleia em salvas, a mais intensa e dolorosa; e as cefaleias crônicas diárias, que, na maioria das vezes, evoluíram no contexto do abuso de medicamentos. Já as cefaleias secundárias são sintomas de outras enfermidades e mais preocupantes quando a dor tem início súbito, sem histórico prévio ou presença de outros sinais neurológicos nos exames físicos.

Advertisement

Leia também

Águas do Rio alega não saber sobre situação da Cedae mas presidente foi diretor da empresa – Bastidores do Rio

Antiga garagem da Silveira Martins é vendida por R$19,7 milhões a incorporadora

Vale destacar que a automedicação e o abuso de analgésicos e anti-inflamatórios podem desregular o organismo, sobrecarregando órgãos como estômago e rins: “o corpo entende que não precisa mais produzir a defesa contra a dor. Daí o indivíduo entra em um estado crônico. O ideal é sempre consultar um neurologista e fazer um tratamento preventivo, que diminui a frequência e a intensidade das dores”, explica a coordenadora.

As inscrições para consultas no Ambulatório são feitas somente através do SISREG, o Sistema Nacional de Regulação, disponibilizado pelo Ministério da Saúde. Na primeira consulta, o paciente é avaliado para verificar a presença de cefaleias primárias e, então, dar início à terapia mais apropriada ao seu quadro clínico.

“O tempo de tratamento varia muito, pois depende da causa da dor, e pode levar de um ano até o acompanhamento pelo resto da vida. Mas, no geral, a resposta é bastante positiva. Na maior parte dos casos, o paciente retorna dentro de 3 a 6 meses apenas para rever a medicação”, relata a neurologista.

  • SERVIÇO:
  • Ambulatório de Neurologia do Hospital Universitário Pedro Ernesto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE-Uerj)
  • Endereço: Boulevard 28 de Setembro, 77 – Vila Isabel
  • Marcação de consultas exclusivamente pelo SISREG: https://web2.smsrio.org/portalPaciente/#
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Hospital da Uerj oferece atendimento especializado e gratuito para pacientes com dores de cabeça

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui