Igreja histórica que recebeu D. João VI sofre furto noturno na rua Uruguaiana, no Centro

A igreja do Rosário teve sua mesa de som roubada por gatunos numa noite de sábado. Invasões têm ocorrido, à noite, na região da uruguaiana, e agora a Igreja inicia uma campanha para adquirir novo equipamento.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Igreja Nossa senhora do Rosario, na Uruguaiana - Foto: Daniel Martins/Diário do Rio

Era mais uma madrugada no Centro do Rio de Janeiro, mais precisamente na rua Uruguaiana, que se tornou uma espécie de circo de ilegalidades e desordem urbana. O padre Edmar Augusto Costa – uma espécie de celebridade do centro do Rio, que conquista a todos com sua alegria, bom humor e liturgia – preparava-se para dormir no penúltimo sábado (1/9) e acordou com um barulho dentro de sua igreja, a Nossa Senhora do Rosário, primeiro templo visitado por Dom João VI em sua chegada ao país em 1808. Correu até a nave da Igreja e presenciou criminosos terminando de carregar todo o equipamento de som da Irmandade; conseguiu – é um homem grande – colocar os bandidos pra correr, mas não sem perder alguns equipamentos vitais para a condução das celebrações.

A região do Centro tem sofrido seguidamente com invasões e arrombamentos na madrugada, normalmente de moradores de rua em busca de materiais metálicos para vender a algum dos vários ferros velhos que ilegalmente operam na região Central. Na rua Gonçalves Dias, estas invasões têm sido freqüentes, assim como na região da Praça Tiradentes.

Campanha

A Igreja – que precisa da mesa de som, principal peça subtraída pelos criminosos – está fazendo uma campanha para adquirir uma nova. O PIX (21) 98115-0750, do próprio sacerdote, está recebendo doações que possam contribuir para que a igreja recomponha seu sistema de som.

Advertisement

A Igreja Histórica

Em 1708, a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos recebeu o terreno onde está situada a igreja na então Rua da Vala (atual Rua Uruguaiana). De 1737 a 1808, o local sediou a catedral da cidade.

Ali foram realizadas diversas sessões do Senado da Câmara às vésperas da Independência. Em 1822, foi redigida no local a representação popular que culminou no icônico ”Dia do Fico”. Além disso, esta foi a igreja que o principe regente foi visitar no dia em que chegou ao Rio. Ademais, no século XIX, a igreja foi um dos mais importantes cenários do movimento abolicionista, congregando figuras como José do Patrocínio, Luiz Gama, entre outros. A irmandade dona da Igreja financiava o pagamento de cartas de alforria para escravos, dedicando-se a libertar milhares de cativos.

Após problemas financeiros da Irmandade, o lindo templo ficou fechado por 2 anos e 9 meses, e foi até usado como depósito de camelôs, até ter finalmente a sua posse entregue à Arquidiocese do Rio. Recentemente, a subprefeitura do Rio demoliu barracos que haviam sido construídos ilegalmente, colados na sua fachada lateral em cantaria cheia de detalhes; o Iphan e a Arquidiocese pleiteavam a tempos a remoção da edificação pustulosa. A bonita igreja – que pegou fogo décadas atrás e por isso seu aspecto interno é de uma igreja “moderna”- foi reaberta em 2021, após a retirada de quase 5 toneladas de lixo de seu interior e hoje recebe centenas de pessoas nas suas animadas missas de cura e libertação, às quintas-feiras.

O padre Edmar é uma espécie de pop star do Centro do Rio, celebrando também suas concorridas celebrações eucarísticas na paróquia de São Tiago de Inhaúma.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Igreja histórica que recebeu D. João VI sofre furto noturno na rua Uruguaiana, no Centro
Advertisement

3 COMENTÁRIOS

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui