Igrejinha dos Mercadores vai celebrar quarta-feira de cinzas, tradição de séculos

A Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores conta com um tradicional e bem elaborado calendário de serviços religiosos, e retorna com tradições de séculos como a Missa da Quarta Feira de Cinzas, este dia 14/2 às 12:00. Os fiéis vão receber a bênção das cinzas, no dia que de fato abre o ano para os comerciantes cariocas

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Dom Orani Tempesta na Missa de Reabertura da Igreja da Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores - Foto Daniel Martins/DIÁRIO DO RIO

Tendo passado por uma grande restauração e se tornado referência de música e fé católica com suas Missas Solenes com Coral aos sábados e domingos, a Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores, localizada na Rua do Ouvidor, nº 35, no Centro Histórico, voltou mesmo a oferecer a cariocas e fluminenses um tradicional e bem elaborado calendário de serviços religiosos. Aos poucos, a joia católica, que ficou quase quatro anos fechada, retoma os ofícios das tradições mais piedosas do catolicismo. No dia 14 de fevereiro agora, após o carnaval, voltará a ser celebrada no templo a Missa de Cinzas, em latim, com a imposição e bênção das cinzas. O padre vai marcar os fiéis com as cinzas durante a bênção, como manda a tradição católica para a celebração da quarta-feira de cinzas, que encerra o carnaval.

A celebração, com toda a pompa e objetos litúrgicos de mais de 300 anos de idade, ocorrerá ao meio-dia de quarta-feira. “Somos a primeira organização formal de comerciantes do país, fundada em 1743. E a quarta-feira de cinzas, além de seu significado católico, abre formalmente o ano comercial no país: é a partir deste dia que o ano de fato começa pros comerciantes”, brinca Cláudio André de Castro, provedor da Irmandade de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores, dona da igrejinha. A Missa será rezada pelo Padre Vitor Pimentel Pereira, em língua latina e “versus Deum”, ou seja, o padre na maior parte da missa olha na direção do altar, e não da porta de entrada da igreja, agindo como um líder dos fiéis ali presentes perante o crucifixo que representa Jesus Cristo. Pra quem gosta de incenso, as missas na irmandade são um festival de odores e fumaça, com o turíbulo tradicional em prata balançando na mão dos coroinhas e dos padres sem timidez.

O órgão da igreja, que data de 1873, também foi meticulosamente restaurado. O instrumento será usado durante as celebrações, na quais serão apresentados concertos de música barroca sob a regência do prestigiado maestro Marcos Paulo. Os fiéis que comparecerem à Missa, que começará às 12h, poderão depositar em uma pequena urna perto do altar todos os seus pedidos, que serão queimados após a missa de Nossa Senhora das Graças, todos os dias 27. O ritual é praticado há 100 anos no templo dedicado à padroeira dos comerciantes.

O próprio provedor deu em comodato mais de uma centena de objetos sacros oitocentistas para voltar a “equipar” o templo, depois de anos sem uso. O mais recente foi a Urna da Reposição do Santíssimo (foto), em madeira revestida de ouro brunhido, que será usada durante a Semana Santa, que terá uma programação de fé de fazer inveja às confrarias espanholas: a Irmandade dos Mercadores vai promover desde o tradicional lava-pés à procissão de Ramos, passando por um esplendoroso domingo de Páscoa com direito a Coral é Grande Orquestra em pleno fim de semana de um Centro que se revitaliza. “Já compramos até as matracas tradicionais”, diz Sylvia Assumpção, da secretaria da Irmandade.

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

A igreja, que é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), foi reaberta graças ao empenho do provedor, empresário do ramo imobiliário que foi nomeado pela Arquidiocese do Rio de Janeiro, responsável pela Irmandade com a missão de trazer vida à igreja, aberta em 1750 e que sucedeu um oratório dedicado à Nossa Senhora da Lapa, diante do qual os comerciantes locais se reuniam para rezar. A retomada das celebrações como manda o calendário tradicional católico é o objetivo maior da irmandade, que “valoriza sempre as devoções populares e os sacramentais”, diz Castro.

A Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores tem em suas laterais as imagens dos avós de Jesus Cristo, os santos São Joaquim e Santana – as imagens são consideradas as mais belas da cidade. A celebração da Missa dos avós, além de tradicional, representa uma belíssima homenagem aos valores tradicionais da família, representada na figura de São Joaquim e Santana. Outra imagem na Igreja que representa uma grande devoção é a de Santo Expedito, assim como a de Nossa Senhora das Graças.

Reaberta em 10 de junho do ano passado, na Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores passou a ser oficiada a missa em latim aos sábados e domingos, com a belíssima participação do Astorga Coral e Orquestra, da cantora Juliana Sucupira, que conduz o belíssimo espetáculo dos finais de semana, sempre lotado por cariocas e fluminenses de todas as idades.

Para reabrir o templo, a irmandade se dedicou a uma criteriosa pesquisa histórica sobre a edificação e as práticas religiosas e culturais ali desenvolvidas ao longo do tempo – sempre com um olhar às devoções populares, como ocorreu com a concorrida Missa em que foi distribuída a bênção do fiz, no final do ano, ou a bênção das gargantas de São Brás. Uma das tradições católicas é o toque dos sinos das igrejas de hora em hora. A tradição foi retomada por Castro, que providenciou também o restauro do sino da igreja, e conseguiu uma doadora que financiou o restauro da grande clarabóia. Outra joia histórica, presente no templo, é o magnífico relógio da fachada da igreja, que estava parado desde 1922 mas agora voltou a dar as horas com o patrocínio de uma das empresas do provedor.

BFF61117 6DED 4D70 BA67 48DDFE837231 Igrejinha dos Mercadores vai celebrar quarta-feira de cinzas, tradição de séculos

A administração da igreja guarda uma bala de canhão, que atingiu a sua torre, em 1893, durante a Revolta da Armada. Com o choque, a imagem de Nossa Senhora da Fé caiu de uma altura de 25 metros, tendo quebrado apenas parte de dedos da mão, o que foi considerado um milagre, na época. Atualmente, as imagens de Nossa Senhora da Fé e a que recebia orações dos mercadores, antes mesmo da construção da igreja, estão preservadas e guardadas em uma sala no interior do templo. Outra relíquia pertencente à igreja é um medalhão com a coroação da Virgem Maria, todo trabalhado em mármore e localizado na parte superior da fachada da edificação. A obra foi encontrada, no século XIX, durante escavações no terreno da igreja.

Programação:

Missa das Cinzas

Celebrante: Padre Vitor Pimentel Pereira

Quarta-Feira, dia 14/2 às 12h

Rua do Ouvidor, 35 – esquina com Travessa do Comércio

De segunda à sexta-feira, das 9h às 18h, são realizadas visitações turísticas da nave e altares laterais do templo. Não há serviço nem visitação nos feriados. Os interessados em conhecer a sacristia e o átrio de Nossa Senhora da Fé, podem comparecer à igreja nos dias úteis, das 9h às 14h, aos sábados de 9h às 17h, e aos domingos das 9h às 16h. Não há visitação nos horários das missas, que são sempre ao meio-dia.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Igrejinha dos Mercadores vai celebrar quarta-feira de cinzas, tradição de séculos

Advertisement
lapa dos mercadores 2024 Igrejinha dos Mercadores vai celebrar quarta-feira de cinzas, tradição de séculos
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui