Inea apreende aves silvestres e armas de fogo no Parque Estadual da Pedra Branca

Foram encontradas uma motosserra, um alçapão, uma carapaça de tatu-galinha (Dasypus novemcinctus) e seis gaiolas

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação

Na manhã desta segunda-feira (29/01), o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), com apoio do Comando de Polícia Ambiental (CPAM), promoveu uma operação de combate a crimes contra a fauna no Parque Estadual da Pedra Branca, unidade de conservação administrada pelo instituto na Zona Oeste da capital fluminense. Durante a ação no Núcleo Pau da Fome, na Taquara, a equipe apreendeu seis aves silvestres e seis armas de fogo em uma residência dentro dos limites do parque.

Além dos animais, foram encontradas uma motosserra, um alçapão, uma carapaça de tatu-galinha (Dasypus novemcinctus) e seis gaiolas. O responsável foi conduzido à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, foi preso e responderá por cativeiro ilegal de animais silvestres, caça ilegal e posse ilegal de armas de fogo. Os animais serão levados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), do IBAMA.

“Não medimos esforços na hora de nos mobilizarmos contra essas atividades ilegais que tanto prejudicam a nossa biodiversidade, sobretudo em áreas tão importantes como o Parque Estadual da Pedra Branca”, afirmou o vice-governador e secretário de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, Thiago Pampolha.

Entre as espécies em cativeiro estavam um coleiro (Sporophila caerulescens), dois trinca-ferros (Saltator similis), um melro (Gnorimopsar chopi), um canário-da-terra (Sicalis flaveola) e um sabiá (Turdus sp.).

Advertisement

Com 12.491 hectares, o Parque Estadual da Pedra Branca abrange partes de 17 bairros da zona Oeste da cidade. A sede da Unidade de Conservação está localizada no Pau da Fome, em Jacarepaguá e os núcleos estão situados no Camorim, também em Jacarepaguá, em Piraquara, em Realengo, e o posto avançado Quilombola, em Vargem Grande – batizado em homenagem à comunidade Quilombola Cafundá Astrogilda. O parque abriga uma fauna diversificada: já foram registradas 479 espécies, sendo 43 de peixes, 20 de anfíbios, 27 de répteis, 338 de aves e 51 de mamíferos.

O Parque Estadual da Pedra Branca é reconhecido internacionalmente como uma IBA (Important Bird and Biodiversity Area), ou seja, uma área prioritária para conservação da biodiversidade de aves, pela BirdLife International.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Inea apreende aves silvestres e armas de fogo no Parque Estadual da Pedra Branca
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Não resulta em nada, ninguém é submetido à pena de prisão, apenas conduzido para delegacia, registra-se um termo e fica de “boas” respondendo a um processo que nem seguirá adiante, pois celebram acordo, quando não suspenso e extingue…
    Seja o comércio de animais silvestres ilegais, ou mesmo silvestres legalizados (que muitas vezes a cota permitida esconde a mortandade que não entra naquela medição), ambas deveria ser combatida, assim como desestimulado o mau hábito de ter animais como estimação (a primeira porta está aberta, isto é, ter um animal) sem a qual não existiria mercado pet.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui