Ipanema recebe a ousada creperia ‘La Putaria’, com doces em forma de órgão sexual

Um dos produtos é uma espécie de doce em formato de uma vagina encharcado de caldas. Alguns moradores pedem pros produtos não serem expostos na vitrine.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Não existe pecado do lado de baixo do equador. Os moradores do elegante e descolado bairro de Ipanema, na Zona Sul, do Rio de Janeiro, poderão saborear a partir de amanhã, crepes e doces em formatos nada convencionais para os padrões brasileiros. Será inaugurada, segundo informações, esta semana, a “La Putaria”, casa de crepes e doces com formato de pênis e vaginas recheados e cobertos com chocolate e/ou doce de leite. A loja fica na Visconde de Pirajá, 260.

Mas nem todos os moradores do bairro ficaram felizes com a presença do “La Putaria”. Carlos Monjardim, presidente da Associação de Moradores e Amigos de Ipanema (AMAI) foi procurado por pessoas indignadas com a proposta da casa. Alguns chegaram a pedir que ele conversasse com a dona do negócio para que os produtos em formatos sexuais não ficassem expostos, e assim não ferissem suscetibilidades. Um dos produtos é uma espécie de doce em formato de uma vagina encharcado de caldas líquidas no interior e por cima.

A369EA5F 22A9 4493 A7C2 0DEC5D980C04 Ipanema recebe a ousada creperia 'La Putaria', com doces em forma de órgão sexual

Carlos Monjardim defende a proposta do “La Putaria”, como uma forma de liberdade de expressão e livre iniciativa comercial.

 “Sem puritanismos exagerados, mais que nunca vivemos dias em que a liberdade de expressão tem de ser constitucionalmente defendida. Muitos queriam que a AMAI fizesse algum gesto ou movimento em ir conversar com a dona da loja, tentar ‘sugerir’ algo que limitasse a divulgação ou exposição dos seus produtos. Fui e sou contra! Empresário totalmente legalizado, com alvará dentro da lei, tem de ter as BOAS VINDAS AO BAIRRO, tapete vermelho, gerando empregos e renda em nossa pequena República Ipanemense”, afirmou o presidente da AMAI.

Advertisement

Leia também

‘Guadalupe’, ‘Lobo Júnior’, ‘Fiocruz’ e mais: confira os nomes das 20 estações do BRT Transbrasil

Dengue: Ministério da Saúde envia 1º lote de vacinas enquanto RJ intensifica medidas de combate

O tradicional estado de Minas Gerais já se delicia com as novidades do “La Putaria”. Lá, os crepes eróticos são degustados desde janeiro deste ano. A casa está localizada, na Savassi, bairro na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, e contou com a apresentação de DJ da “Festa Absurda”, do movimento LGBTQI.

A idealizadora da singular creperia é uma jovem de 26 anos que mora na Europa e é casada com um austríaco. Juliana Lopes é mineira e ficou surpresa com a aceitação dos clientes – em sua maioria jovens – em relação à sua proposta gastronômica.

Em entrevista ao Estado de Minas, a empresária afirmou que, mesmo antes de abertura da casa, já havia gente curiosa e eufórica para saborear iguarias.

Há alguns dias, nós colocamos os produtos em nossa fachada e o pessoal já passava e tinha uma curiosidade muito aguçada, perguntando o que era. Mas o movimento nos surpreendeu. Quando abrimos a loja, já havia pessoas esperando do lado de fora. A gente não parou, pois o espaço ficou cheio o tempo todo. O clima foi bem gostoso e o pessoal interagiu bastante,” declarou a criativa empresária.

Mas “La Putaria” não começa aqui. A sua história tem início no Velho Continente, mais precisamente no país dos nossos patrícios: Portugal. Foi lá que Juliana Lopes deu os primeiros passos no ousado projeto. A pequena loja portuguesa mede 50 metros quadrados e abre de domingo a domingo. Os portugueses são vorazes e consomem em média 300 ”pênis” e “vaginas” por dia. Os quitutes eróticos são todos recheados e cobertos por chocolate e/ou doce de leite.

O sucesso de “La Putaria” não está só no paladar. Nas redes sociais, o “La Putaria” também dá um show. O perfil da loja no Instagram conta com quase 30 mil seguidores. No TikTok, a hashtag #Laputaria tem mais de 10,9 milhões de visualizações.

Segundo Juliana Lopes, a inspiração para abrir o “La Putaria” partiu de amigos que visitaram Bangkok, na Tailândia, e capitais de países da Europa e lhe enviaram informações de negócios parecidos.

Para a empresária, no Brasil, a proposta da casa tem tudo para ser um sucesso, graças ao bem-humor do brasileiro, especialmente dos jovens.

“O brasileiro tem uma mente muito aberta e o país é muito diverso e grande. Temos um senso de humor muito bacana. Isso ajudou muito. Uma coisa se uniu à outra”, afirmou a empresária ao Estado de Minas.  

Para ela acima de tudo, o La Putaria é uma “marca [que] tem como maior intuito ser leve e divertida. É uma grande piada. Gostamos mesmo é da brincadeira, sem levar muito a sério“, complementou a empresária.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Ipanema recebe a ousada creperia 'La Putaria', com doces em forma de órgão sexual

Advertisement

34 COMENTÁRIOS

  1. Fabiano, a respeito da Anitta (por sinal lembrei-me também do Pabllo Vittar) e tudo o mais que mencionou acima você tem toda razão; e apesar de não ter achado a menor graça nesta loja, sou de opinião que vai lá quem quiser. Eu, por exemplo, não iria, o que não faz de mim uma Dona Bela ou um Edir Macedo de saia.
    Em resumo, é cada um na sua e Deus na de todo mundo.

  2. Eu também, João! me divirto horrores. É o seguinte: pra quem conhece, não vai acrescentar nada. Se ainda não conhece, nunca viu, não vai reconhecer, então… tá tudo certo! Moralismo = hipocrisia.

    • Eu também, João! me divirto horrores. É o seguinte: pra quem conhece, não vai acrescentar nada. Se ainda não conhece, nunca viu, não vai reconhecer, então… tá tudo certo! Moralismo = hipocrisia.

  3. Ridículo e escatológico. Nem sexy o produto é. Parece uma vagina com corrimento. Os mineiros se acham muito de vanguarda, mas não passam de uns bocós provincianos.

  4. Ridiculo e de mau gosto. Mineiro sempre foi metido a ser de vanguarda mas não passam de uns provincianos bocós.
    Nem ao menos é sexi. Apenas escatológico.

  5. …eu sendo cristão não posso aceitar esses tipos de coisas;porém existem pessoas que estão preparadas para degustar esses tipos de doces com seus filhos amigos, esposas etc.

  6. uma caceta dessas na vitrine e passa sua filhinha de 6 anos, moço tem dark chocolate? tá, seu filhinho. se a expressao é liberada, vamos ver a fachada da loja. dentro td bem.
    mas q essa merda deve
    ser gostosa

  7. Engraçado… Ninguém reclama das músicas (???) e performances da Anitta (ao contrário, são amplamente apoiadas e defendidas com “unhas de acrigel”). Acham lindo ela rebolar a bunda e se destacar mundialmente “representando o Brasil (não me representa)” com um clipe que simula atos sexuais!!!

    Ninguém reclama da superexposição do tal “mendigo do DF”. O cara virou “herói nacional” após ter ESTUPRADO (relações sexuais com alguém que notoriamente não responde por seus atos é crime de estupro de vulnerável) uma mulher em surto psicótico e hoje virou celebridade, com mais destaque positivo (???) na mídia que o próprio fato que o tornou conhecido!!!

    Ninguém reclama das músicas (???) que vulgarizam a mulher e escancaram a porta do motel enfiando ouvidos adentro de quem quiser (e mesmo de quem não quer) letras que relatam as mais vis, sórdidas e vulgares formas de relações sexuais… Isso sem falar nas que valorizam, exaltam e estimulam o uso de drogas e o alcoolismo e são ouvidas por nossos adolescentes de 14/15 anos.

    Ninguém reclama quando casais homossexuais daqueles mais liberais e “pseudo-militantes” se exibem em carícias e beijos ardentes (típicos de filmes pornô) no meio da rua, de praças, de shoppings (…), ignorando completamente a presença de outras pessoas, de famílias, de crianças, como se quisessem afrontar a sociedade enfiando goela abaixo suas opções sexuais. Muitos idiotas até aplaudem defendendo a “liberdade de expressão (queria ver se fosse eu e minha esposa fazendo sexo na frente das familias deles, dos filhos deles, dos amigos deles)”.

    Aqui cabe uma observação: não tenho absolutamente nada contra as opções sexuais e escolhas de gênero de ninguém, contando que seu comportamento seja compatível com o de um cidadão comum respeitando a presença de outras pessoas que porventura não compactuem com esse tipo de conduta lascívia.

    Para finalizar, como se não bastasse a hipocrisia da sociedade como um todo, ainda me vem esse bando de playboyzinhos e cocotinhas do “Leblon de Manoel Carlos” encher o saco por conta do formato e proposta sexy e irreverente de uma loja de DOCES que vai empregar um monte de gente, recolher tributos e incrementar ainda mais o turismo local!? Um bando de “Dona Bela”, virgens, puros e castos que nunca viram uma boceta ou um piru na vida. São filhos e filhas do Divino espírito santo (ou seria da dona cegonha !?)…

  8. É um absurdo isso! Estão confundindo liberdade de expressão com libertinagem.
    Um prato cheio para Freud!!!!!!
    Só falta colocarem camas para os fregueses darem asas à imaginação com seus doces “ao vivo e a cores”….
    Nota zero!!!!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui