Jackson Vasconcelos – Eleição no Rio: Na dúvida, não ultrapasse

'Estamos a meio passo da ocasião de escolher quem governará o estado pelos próximos quatro anos e os candidatos se movimentam'

Quem lida com segurança pública, como ofício, curiosidade ou esperança, seja para prestígio intelectual ou apresentar soluções, deve ler o capítulo dez do livro “Sergio Moro – Contra o Sistema da Corrupção”, onde está o relato dele sobre o trabalho que ele e a equipe fizeram e tentaram fazer na segurança pública. 

Lá está demonstrada com resultados, uma estratégia, que se aplicada às políticas públicas de qualquer natureza, oferecerá sucesso. É o modelo de ínsulas, que conheci ao ler Alexandre, o Grande e as considerações e aulas do estrategista Luiz Fernando da Silva Pinto, melhor intérprete dele. É o modelo de amostragem. Separa-se do ambiente onde está o problema, um território específico, uma miniatura representativa do todo, e a ele se aplica a solução. Mede-se os resultados, identifica-se os entraves, faz-se os ajustes e aplica-se no todo.  

Sergio Moro disserta sobre o projeto “Em Frente Brasil”, criado por ele, e as cidades de Ananindeua, no Pará; Goiânia, em Goiás; Paulista, em Pernambuco; Cariacica, no Espírito Santo; e São José dos Pinhais, no Paraná, formaram o campo de testes do baixo-relevo que seria utilizado no Rio de Janeiro. Movido pela vaidade pessoal, Moro não resistiu aos trancos do presidente, pegou o boné e caiu fora, antes de aplicar o modelo no Rio de Janeiro. O Rio tem disso.

As notícias das atitudes firmes do Governo do Estado contra as milícias e nas ações de retomada dos territórios que estão há muito tempo sob o comando do crime indicam que o governador Cláudio Castro fez uma boa escolha ao designar Allan Turnowski para a Segurança Pública e que o delegado conhece o modelo e aplica bem o modelo de ínsulas, que dará certo. Já se fez assim com as UPPs, que não deram certo, porque os resultados das ínsulas fizeram subir o grau de vaidade e arrogância nos aplicadores do modelo. Eles cantaram vitória antes do término da guerra. O Rio tem disso.

Tive a oportunidade de estar com o delegado Allan algumas vezes – poucas – durante a campanha de 2018, no cumprimento da decisão do Indioda Costa de construir um bom plano para a segurança pública. Indio foi candidato ao Governo do Estado com uma campanha que, dividida com Eduardo Paes, facilitou a vitória do Wilson Witzel e, de modo indireto e inesperado, colocou Cláudio Castro na cadeira do governador.

Naquela campanha, obtivemos o apoio do Centro de Liderança Política, indicado pelo Carlos Portinho, hoje Senador. Ocorreram dois seminários, um no Rio e outro em São, coordenados por Leandro Piquet e bancados pelo PSD, por autorização de Gilberto Kassab. Não sei onde anda esse material, mas o PSD deve ter.

Estamos a meio passo da ocasião de escolher quem governará o estado pelos próximos quatro anos e os candidatos se movimentam. Ao que vejo, não há muitos. O jornalista Ascânio Seleme publicou, no sábado, “E o Rio, como vota?”, para dizer que no páreo estão Marcelo Freixo e Claudio Castro. Freixo é uma interrogação sobre o que estaria disposto a fazer no governo do estado e o que de fato faria. Então, me resta dizer: na dúvida, não ultrapasse. Fiquemos onde estamos, porque está de bom tamanho.

Até semana que vem. E fica a dica de leitura: Sergio Moro – Contra o Sistema de Corrupção. Ainda nesta semana publicarei um podcast com a  resenha do livro no endereço: www.aquitudoepolitica.

Formado em Ciências Econômicas na Universidade Católica de Brasília e Ciência Política na UNB, fez carreira com dezenas de cases de campanhas eleitorais majoritárias e proporcionais. É autor de, entre outros, “Que raios de eleição é essa”, Bíblia do marketing político.
Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Depois de Cabral, Pezão, Witzel e agora Castro, o Rio precisa abrir os olhos e escolher diferente, porque nossa situação é precária há décadas.
    Freixo vem como essa renovação necessária. Com uma sólida visão da segurança no Estado (foi ele quem explanou o plano das milícias que nos assolam hoje com a anuência do PR e seus filhotes), Freixo é a esperança de que podemos ter decência na gestão do Estado.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui