Justiça determina ao Governo do RJ explicações sobre recuperação judicial da SuperVia, que pode decretar falência

Concessionária que administra o sistema de trens da Região Metropolitana do RJ enfrenta dificuldades financeiras

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Trens da SuperVia, no RJ - Foto: Reprodução

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) determinou que, no prazo máximo de cinco dias, o Governo do Estado explique o processo envolvendo a recuperação judicial da SuperVia, concessionária responsável pela gestão do sistema de trens na Região Metropolitana.

A decisão, proferida pelo juiz Vitor Torres, da 6ª Vara Empresarial do TJRJ, visa entender se há algum plano de contingência por parte do governo fluminense caso a SuperVia entregue o serviço ao poder público, uma vez que a empresa alega dificuldades financeiras atualmente, podendo até decretar falência.

Vale lembrar que a SuperVia entrou em recuperação judicial em 2021, alegando prejuízos ocasionados pela pandemia da Covid-19, congelamento de tarifas e questões de segurança pública que, somados, chegam a mais de R$ 1 bilhão.

O TJRJ também quer saber se há algum aporte financeiro previsto em favor da SuperVia e, caso exista, a previsão disso acontecer. Paralelamente às determinações judiciais, os prazos referentes à recuperação judicial da concessionária foram congelados por 30 dias.

Advertisement
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Justiça determina ao Governo do RJ explicações sobre recuperação judicial da SuperVia, que pode decretar falência
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Ainda há pouco comentei isso de passagem, em outra postagem aqui no Diário sobre a paralisação no metrô por conta de furto de cabos.

    Os serviços de transporte em especial do Rio sofrem com furtos, além de invasão e ocupação das vias, no caso em especial ferrovias, por moradias e outras atividades irregulares como comércio ambulante com suas barraquinhas de produtos e de drogas, e também danos por vandalismo.
    A empresa assume o serviço tendo que defender contra terceiros.

    Isso além de tornar difícil a vida do usuário com viagens mais demoradas e tarifas caras, também inviabiliza a operação pelo particular.

    Quem vai querer se tem margem de lucro cada vez mais reduzida ou até assume o custo no momento inicial e têm dificuldade de obter ressarcimento?

    O Estado precisa fazer cessar os vandalismos e furtos, prendendo e mantendo preso os criminosos.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui