Justiça do Rio determina plano para reduzir filas de espera em ortopedia

'Mais de 15 mil pessoas aguardavam primeira consulta para adultos nas especialidades ortopédicas relativas ao joelho, à coluna vertebral e a ombro e cotovelo', argumenta a defensora pública regional de Direitos Humanos no Rio de Janeiro, Shelley Duarte

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Pacientes aguardam atendimento em Unidade Básica de Saúde. Reprodução: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nesta terça-feira (05), a Justiça Federal do Rio de Janeiro, determinou que a União, o Estado e o município apresentem um plano de ação para resolução de deficiências estruturais e garantia de acesso da população a consultas e cirurgias ortopédicas. A decisão é resultado de uma Ação Civil Pública (ACP) ajuizada, em agosto do ano passado, pela Defensoria Pública da União (DPU) e do Estado do Rio de Janeiro (DPE).


A decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, ao acatar o pedido das defensorias, ressalta a preocupação com o déficit de oferta e a demora nos serviços da Rede Estadual de Atenção em Alta Complexidade de Traumatologia e Ortopedia. O acórdão salienta uma clara desestruturação na rede e uma séria deficiência nos serviços de saúde pública, especialmente no que diz respeito à disponibilidade e ao tempo de espera por consultas e cirurgias nas especialidades ortopédicas do joelho adulto, coluna vertebral adulto, ombro e cotovelo.

WhatsApp Image 2024 03 14 at 16.59.59 Justiça do Rio determina plano para reduzir filas de espera em ortopedia
A ação questiona o déficit de oferta e a demora em serviços da Rede Estadual de Atenção em Alta Complexidade de Traumatologia e Ortopedia. Reprodução: Internet.

O documento também destaca que as instituições já haviam emitido, um ano antes de ingressar com a ação judicial, uma recomendação conjunta visando a uma solução extrajudicial para o problema coletivo e estrutural identificado. O pedido inicial das defensorias requer que, em um prazo máximo de 30 dias, seja elaborado um plano de ação concreto, contendo metas e um cronograma definido. A não observância deste prazo acarretará na imposição de multa diária.

“Verificamos que mais de 15 mil pessoas aguardavam primeira consulta para adultos nas especialidades ortopédicas relativas ao joelho, à coluna vertebral e a ombro e cotovelo, ao passo em que as filas cirúrgicas internas das unidades, nestas mesmas especialidades, ultrapassava 9 mil pacientes, de maneira a elevar sobremaneira o tempo médio de espera, que não se pode admitir. A decisão é fundamental para assegurar o atendimento adequado dos pacientes, evitando o agravamento de suas enfermidades, e garantindo a efetivação do direito à saúde, que é um dever do Estado”, aponta a defensora pública regional de Direitos Humanos no Rio de Janeiro, Shelley Duarte.

Advertisement

O atraso no atendimento nas especialidades ortopédicas mencionadas na ação excede o período de referência estabelecido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Conforme o Enunciado 93 do referido conselho, “considera-se excessiva a espera do paciente por tempo superior a 100 dias para consultas e exames, e de 180 dias para cirurgias e tratamentos”, para usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Justiça do Rio determina plano para reduzir filas de espera em ortopedia
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui