LAB Viva Água aplica R$ 800 mil em programa de restauração da Baía de Guanabara

"Sabemos que a recuperação da Baía de Guanabara é complexa, mas acreditamos que a natureza possui soluções para diversos desafios," disse um representante da Fundação Grupo Boticário

Ilhota Baía de Guanabara / Foto: Roberto Anderson

Mirando a restauração ambiental da região da Baía de Guanabara, o LAB Viva Água selecionou três projetos que receberão até R$ 800 mil em investimentos, para desenvolverem soluções inovadoras para os graves problemas que atingem a região. A previsão é de que uma vez colocados em prática, a partir no ano que vem, os trabalhos durem entre 18 e 30 meses.

Para o gerente sênior de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário, André Ferretti, apesar de as soluções demandadas pela Baía serem complexas, ele acredita que a própria natureza permitirá o arranjo de resoluções para os desafios sociais e econômicos da região.

“Sabemos que a recuperação da Baía de Guanabara é complexa, mas acreditamos que a natureza possui soluções para diversos desafios sociais e econômicos da região. Por isso, continuamos unindo forças, gerando conhecimento, estabelecendo conexões e espaços de convergência para promover um impacto positivo e concreto para toda população do território”, disse Ferretti.

O LAB Viva Água, resultado da ação do Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza com o apoio do Movimento Viva Água, foi realizado de forma on-line e gratuita, com o objetivo de desenvolver ferramentas utilizando cadeias produtivas sustentáveis, para dar conta de dois desafios relacionados à restauração ecológica propostos pelos organizadores do evento. O processo contou com as participações de pesquisadores, engenheiros, urbanistas, ambientalistas, acadêmicos, entre outros profissionais.

As informações são do Diário do Porto.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui