DeBarte com Leandro Lyra e Tarcísio Motta no Bar Léo ( Foto: Gabriel Subtil )
Leandro Lyra - Foto: Gabriel Subtil

Para promover o maior controle social na administração pública municipal e assegurar requisitos de transparência e publicidade na cobrança do IPTU no Rio de Janeiro, o vereador Leandro Lyra (NOVO) apresentou o Projeto de Lei nº 1.187/2019, que institui a política de transparência na cobrança do IPTU.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

A proposta é que sejam explicitados – de forma concisa na guia de arrecadação e de forma exaustiva na internet – os valores arrecadados com o IPTU por bairro, as variáveis e os valores que compõem o cálculo total do tributo cobrado de cada contribuinte, bem como os meios legalmente previstos para a impugnação do lançamento.

A proposta tem por objetivo instituir uma relação de cunho cooperativo entre a administração tributária municipal e o cidadão; disponibilizar informações a respeito da arrecadação oriunda do tributo; permitir o conhecimento público das variáveis que compõem o valor do tributo, especialmente os critérios que pautaram a definição da base de cálculo; e garantir ao cidadão as informações necessárias para que possa exercer seu direito à contestação do valor lançado.

Leandro Lyra explica que o projeto de lei busca promover a transparência ativa na administração pública tributária do município. “Faz-se necessário ampliar os espaços de controle social em torno da cobrança dos tributos, uma vez que o contribuinte, como financiador do Estado, é detentor do direito-dever de cobrar seus serviços e prestações públicas, mas também de transparência no processo de arrecadação destes recursos. Este projeto possibilita, então, que o cidadão exerça seu direito de concordar com a tributação“, esclarece o autor.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui