Por Silvana Vargas

 

DomCasmurro Nos dias que antecederam a folia consultei alguns amigos de diferentes atividades para saber sobre preferências de leitura. São estudantes universitários, professores, escritores, músicos, profissionais liberais que há muito já incluíram o saudável hábito da leitura em suas vidas.

 

A lista foi bem diversificada, mas as obras de Machado de Assis se fizeram presentes em quase todas elas e Dom Casmurro ficou com a preferência da obra machadiana. Costumes no Rio de Janeiro dos tempos imperiais.

 

Na Literatura estrangeira tivemos uma diversidade de livros. Desde Mil umaNoites, passando pelo Nome da Rosa (HumbertoEco) até livros de Camus e Virgínia Woolf..

new-reader-poster1 Queria deixar dicas para os leitores do blog. Afinal depois de tanta folia quem sabe não é hora de revitalizar-se através de boas leituras, boa música, bons filmes (o Oscar nos traz, dentre outros, O Leitor com a protagonista premiada) . Depois do axé, funk, frevo e samba vamos, sem qualquer disfarce, buscar a energia da cultura que só um bom livro pode proporcionar. Afinal o prazer da leitura não tem data marcada nem precisa de motivo.

 

Sou grata aos amigos que mandaram suas opções de livros, colaborando com a leitura inteligente e a iniciativa de incentivo ao ato de ler. Afinal, ler é como esquiar. Quando bem feito é atividade graciosa e harmoniosa.

 

E por falar nisso, segue o nome de alguns livros que me foram bons companheiros em diferentes momentos da vida. Todos são encontrados ainda nas boas livrarias cariocas. Dois de Literatura estrangeira e dois livros de escritores nacionais.

 

Feliz Ano VelhoApanhador No Campo de Centeio – J. D. Salinger trata dos conflitos de um adolescente e sua busca de identidade. Tudo de maneira realista e inteligente.

 

Mundo de Sofia – Jostein Gaarder trata de iniciação filosófica de uma adolescente através dos livros.

1968 – O Ano que Não Terminou – Livro genial de Zuenir Ventura, jornalista carioca que escreve sobre a ressaca de uma geração e de uma época.

 

Feliz Ano Velho – Marcelo Rubens Paiva, escritor que conta de modo irreverente sua vida após um acidente de piscina que o deixou tetraplégico.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui