Lojas Leader devem milhões em aluguéis, condomínios e IPTU e descumprem Plano de Recuperação Judicial

A tradicional loja de departamentos passaria pelo mais difícil momento de sua história, com grande chance de não passar por 2024. A empresa deve fortunas em custos de ocupação, e não estaria pagando aluguel a ninguém, descumprindo o plano de recuperação

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Lojas Leader
Devendo aluguel aos proprietários de suas lojas e com dívidas de 1 bilhão, Lojas Leader lançam venda via WhatsApp, pois não possuem e-commerce

Já é Natal na Leader Magazine, dizia a propaganda que no passado povoava o imaginário popular. A grande rede de lojas fundada em Miracema, porém, já viu dias melhores. Uma visita à sua mega loja da Rua Uruguaiana 55, no coração do Centro Histórico do Rio chegar a dar medo: cheiro de mofo, prateleiras vazias, último andar fechado, elevador pifado e escadas rolantes fazendo barulho esquisito chocam quem já viu a pujança da empresa fundada pela família Gouvêa. Um funcionário disse à reportagem que a empresa deve pelo menos 5 meses de taxa condominial, e mais de um ano de aluguel.

Depois, a empresa foi vendida ao BTG Pactual, e se expandiu mais ainda, com a aquisição da Seller, da família Furlan, de São Paulo. Uma fusão considerada mal calculada, que acabou enterrando a empresa em problemas que vive até hoje. Em 2016, o BTG vendeu a empresa por 1 real e seu comando passou às mãos de Fábio Carvalho, que controlava também a Editora Abril. Em 2020, a companhia mudou de dono de novo, passando para André Peixoto. Na ocasião a loja de departamentos tinha 90 lojas espalhadas por 9 estados do país.

Peixoto resolveu entrar com pedido de recuperação judicial, para tentar equacionar mais de R$ 1,2 bilhões de reais em dívidas que a companhia tinha. Numa recuperação judicial, a empresa equaciona sua dívida pretérita mediante a apresentação de um plano para pagamento dos débitos, mas deve passar a pagar suas contas em dia a partir dali. No seu plano de Recuperação, a Leader propunha pagar as dívidas maiores que 60 mil reais só dali a 4 anos, da seguinte forma: 10% de sinal e o resto em 12 parcelas anuais se a empresa faturar mais de 1,3bi por ano; se não, não paga nada. Trocando em miúdos, se a Leader me devesse 60 mil, me pagaria 6 mil reais só daqui a 4 anos, e o resto em DOZE ANOS, pagando 4,5 mil POR ANO, mas se seu faturamento for 1,29 bi, não recebo as parcelas. Parece um bom negócio….só que não.

Ocorre que, segundo informações obtidas pela reportagem, a Leader não só não pagaria seus débitos de antes da RJ, como manda a lei, como estaria devendo novamente milhões em aluguéis e outros custos de ocupação de diversas de suas lojas, inclusive suas lojas do Centro do Rio de Janeiro, na Rua do Riachuelo e na Uruguaiana, estariam dentre as devedoras. Obtivemos acesso a certidões de pagamento de IPTUs de duas lojas – é um documento público – e a empresa simplesmente deve milhões de reais em IPTU.

Advertisement

Leia também

‘Guadalupe’, ‘Lobo Júnior’, ‘Fiocruz’ e mais: confira os nomes das 20 estações do BRT Transbrasil

Dengue: Ministério da Saúde envia 1º lote de vacinas enquanto RJ intensifica medidas de combate

Segundo um importante executivo do varejo consultado pelo DIÁRIO, a Leader poderia ser considerada pré-falimentar e não conta mais com a confiança dos proprietários dos pontos. Uma grande empresa e querida do carioca, há quem duvide que a empresa sobreviva a 2024.

A Leader ainda é uma das maiores redes de lojas de departamento do país, com uma história que remonta à sua fundação em 1951, no Rio de Janeiro. Inicialmente, a empresa operava como uma pequena loja de roupas, mas ao longo das décadas, expandiu-se significativamente, tornando-se uma marca reconhecida nacionalmente. A Leader oferecia uma ampla gama de produtos, incluindo roupas, calçados, acessórios, eletrodomésticos e muito mais. Sua trajetória chegou a ser marcada por um crescimento constante, adaptação às tendências de mercado.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Lojas Leader devem milhões em aluguéis, condomínios e IPTU e descumprem Plano de Recuperação Judicial

Advertisement

5 COMENTÁRIOS

  1. Só uma solução a meu ver que seja decretado o pedido de falncia pelos credores antes que fiquem a ver navios . Pois quem vai comprar uma empresa nadando em problemas nínguem .

  2. lembra aquele samba “agoniza mas não morre”:

    “Agoniza mas não morre,
    Alguém sempre te socorre,
    Antes do suspiro derradeiro.”

    A empresa deve ter dado muito dinheiro, hia pix, pra vagabundo liberar arma pra CAC, sem nada pra caçar no Rio, superfaturar vacina e contrabandear jóias pros EUA.

    Faz o “B” agora….

  3. Tadinhos dos donos! Devem estar sem dinheiro até para a passagem de ônibus. Como o sistema é impiedoso com grandes os investidores que não querem outra coisa que não seja o engrandecimento da nação!

    Espero que a ironia esteja clara…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui