Lu Rufino, criadora do Miss Cadeirante: ‘Quando perdi o movimento das pernas, eu ganhei asas’

Ela deu uma palestra para mulheres no Hospital Geral Itaguaí

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação

No Dia Internacional da Mulher, 08/03, a direção do Hospital Geral de Itaguaí (HGI) realizou um evento que reuniu funcionárias e clientes. A programação contou com café da manhã especial, distribuição de brindes, sorteios, e serviços, como curso de automaquilagem, corte de cabelo, escova, manicure, depilação, entre outros. “Já fiz minha unha, cortei e escovei o meu cabelo e ainda aprendi muito no curso de automaquilagem. Dia maravilhoso”, comenta a recepcionista Jenifer Júlia.

Lu Rufino palestrou com o tema “Mulheres Empoderadas, Empoderam outras”. Rufino criou o concurso “Miss Cadeirante”, em 2007. “Aprendi a sambar e sou porta-bandeira de uma escola de samba e também já estive em Londres a convite do governo britânico. Mostrei que a cadeira de rodas não é impeditivo para uma vida feliz”, conta Rufino.

Emocionada, a supervisora de Hotelaria, Jacira Pereira, testemunhou. “Hoje foi um dia inesquecível, estou saindo uma nova mulher, muito mais confiante em mim. A palestra da Lu foi de tirar o fôlego, fui impactada”.

Lu Rufino é um símbolo na luta pela inclusão, formada em Direito, Psicologia e Pedagogia, pós-graduada em Neuropsicopedagogia, Psicopedagogia Institucional e Direito da Mulher, agora ela está prestes a concluir o mestrado em Direito Público Institucional. “O limite de uma pessoa está no tamanho do seu sonho, quem sonha pequeno conquista pouco, quem sonha com imensidão alcança os mais altos lugares no pódio da vida. E não se esqueça de se fazer feliz, repentinamente podemos não estar mais aqui. Então, viva com intensidade, curta cada minuto da sua vida com autoestima e amor-próprio”, afirma.

Advertisement

Leia também

Terminal Gentileza começa a operar para população; veja detalhes

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

Durante a pandemia, Lu Rufino transformou o projeto Miss Cadeirante em uma ONG, criando parcerias que hoje ajudam mais de 250 famílias de pessoas com deficiência e em vulnerabilidade financeira. “Eu decidi retribuir por tudo que Deus me deu na vida. Eu não me sinto guerreira, exemplo de vida, nada disso, faço o que qualquer um pode fazer. Olhar a vida de frente e viver com ousadia tirando sempre a melhor risada”, compartilhou.

A diretora-executiva do Hospital Geral Itaguaí, Valesca Dallier, falou sobre a importância do evento. “Buscamos sempre promover eventos que despertem o melhor de cada um e palestras que nos inspirem a ser pessoas melhores, como essa que acabamos de ouvir da querida Lu Rufino. Ela é uma mulher incrível, foi um dia de muito aprendizado”, ponderou Dallier.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Lu Rufino, criadora do Miss Cadeirante: 'Quando perdi o movimento das pernas, eu ganhei asas'

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui