Má formação labial em bebês deve ser diagnosticada nos primeiros momentos de vida

Pela Lei publicada no D.O, unidades de saúde devem fazer o teste para identificação da fissura labiopalatal no pré-natal ou após o nascimento do bebê

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Alerj

A partir desta segunda-feira (3), unidades hospitalares e maternidades das redes pública e particular estão obrigados a realizar o teste para diagnóstico de malformações congênitas de fissura labiopalatal no pré-natal ou logo após o nascimento do bebê ainda na sala de parto. A medida resulta da Lei 10.392/24, de autoria dos deputados Martha Rocha e Vitor Júnior, ambos do PDT. O governador Cláudio Castro (PL) sancionou a matéria, que foi publicada no Diário Oficial do Executivo nesta segunda-feira.

Com a lei, o teste de fissura labiopalatal passa a integrar um conjunto de exames que devem ser realizados assim que a criança nasce, por meio do Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN). De posse do diagnóstico, os profissionais de saúde devem informar à gestante e aos demais responsáveis o resultado, além de orientá-los sobre o atendimento e o tratamento oferecido por órgãos públicos e outras entidades.

A fissura lábio palatina, também conhecida como lábio leporino, acontece entre a 4ª e a 12ª semanas de gravidez, por meio da um defeito de não fusão de estruturas embrionárias. O problema é caracterizado pela abertura no lábio superior de um ou dos dois lados, com uma abertura no céu da boca.

Advertisement

“Essas alterações provocam problemas que vão além da estética, dificultam a alimentação, prejudicam a arcada dentária, o crescimento facial, o desenvolvimento da fala, a respiração, audição, entre outros aspectos. Assim, os pacientes que não conseguem ser reabilitados enfrentam uma vida pautada por sofrimento, discriminação e outras dificuldades relacionadas com a anomalia”, explicou Martha Rocha.

De acordo com a lei, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) deverá ser notificada compulsoriamente sobre os casos diagnosticados, que devem ser encaminhados às unidades de referência de atendimento a fissurados para a realização de cirurgias corretivas.

O descumprimento da norma será passível de sanções presentes no Artigo 229, da Lei Federal 8.069/90Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O Executivo regulamentará a norma através de decretos.

A SES comunicará às unidades de saúde fluminenses, das redes pública e privada, a existência da medida, apresentando as entidades de referência no tratamento da má formação.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Má formação labial em bebês deve ser diagnosticada nos primeiros momentos de vida
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui