Macacos em risco de extinção são reintroduzidos no Parque Nacional da Tijuca

Em 2015, outros animais foram reintroduzidos no parque, marcando o término da extinção local da espécie, que não era vista no PNT há mais de 200 anos

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Crédito: Marcelo Rheingantz

Equipamento mais visitado do Brasil, o Parque Nacional da Tijuca (PNT) inicia o ano com a reintrodução de mais sete macacos-bugios (Alouatta guariba) no seu habitat. A ação aconteceu no fim da manhã desta terça-feira (2), por meio da ONG Refauna. Os animais formam a nova família que vai coabitar a área de Mata Atlântica com um outro grupo de bugios, que começou a se formar em 2015. Há oito anos, um casal de primatas foi reintroduzido no parque – marco no término da extinção local da espécie, que não era vista nas Unidade de Conservação há mais de 200 anos. 

O grupo de oito macacos-bugios já residentes no parque é formado por um casal e seus seis filhotes, nascidos um cada ano desde 2015, quando teve início a refaunação. Os novos macacos inseridos são um macho e seis fêmeas, com idades entre 13 e 15 anos, os mais velhos; e os mais novos, entre 8 meses e 3 anos. O grupo tem a missão de consolidar a presença dos bugios nas florestas cariocas, além de colaborar com a dispersão de sementes de árvores para ampliar a Mata Atlântica da Unidade de Conservação.

“Precisamos recuperar a população de bugios, que são um dos 25 primatas mais ameaçados do mundo. Os animais que serão reintroduzidos agora são o primeiro grupo liberado depois da vacinação contra febre amarela, cuja epidemia em 2017 afetou fortemente o número desses animais no Sudeste, levando à criação de um comitê de manejo integrado de bugios. Graças a uma parceria com a Fiocruz, foi adaptada a vacina da febre amarela de humanos para os primatas, garantindo a proteção dos bugios que serão soltos no Parque”, explica Marcelo Rheingantz, diretor-executivo do Refauna e biólogo da UFRJ.

A chefe do Parque Nacional da Tijuca, Viviane Lasmar, ressalta que a atuação em conjunto com a Refauna e outras instituições parceiras foi de grande importância para a reintrodução dos animais no PNT depois de anos de trabalho. A ação é um passo importante no combate à síndrome da floresta vazia, problema que pode ser resolvido através do aumento da diversidade genética da população de bugios, conforme explica Silvia Bahadian Moreira, veterinária do INEA-RJ e do Centro de Primatologia do Rio de Janeiro: “É preciso aumentar a variabilidade genética e esse novo grupo praticamente dobra o patrimônio genético dessa população, aumentando as chances deles se manterem e crescerem. Eles aumentam o valor da floresta em termos de biodiversidade, já que restabelecem processos ecológicos complexos que estavam perdidos”.

Advertisement

Como tudo começou

O projeto Refauna foi idealizado no Parque Nacional da Tijuca após a servidora aposentada do ICMBio, Ivandy Castro, notar o desaparecimento de cutias no local. A espécie, que é comum em outras unidades de conservação, é importante dispersora de frutos. Assim, em 2008, Ivandy sugeriu a Alexandra dos Santos Pires e Fernando Fernandez a reintrodução dos animais no PNT. Desde 2020, o projeto trava uma batalha contra a defaunação, por meio da reintrodução de vertebrados em remanescentes de Mata Atlântica. Além da cutia e do macaco-bugio, o Refauna reintroduziu também o jabuti-tinga. O projeto realiza ainda o reforço populacional da trinca-ferros.

Também participaram dos trabalhos de reintrodução dos bugios no PNT: Centro de Primatologia do Rio de Janeiro do INEA (CPRJ-INEA), Fiocruz, Centro de Recuperação de Animais Selvagens da Universidade Estácio de Sá, Comitê de Manejo Integrado de Alouatta, CPB-ICMBio, UFRJ, UFRRJ, IFRJ-RJ, Ecomimesis e National Geographic Society.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Macacos em risco de extinção são reintroduzidos no Parque Nacional da Tijuca
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui