Foto: Reprodução/YouTube

Após explicar que o “vulcão” de Nova Iguaçu é na verdade uma câmara magmática, o DIÁRIO DO RIO conversou com uma geógrafa sobre o Maciço de Itaúna, que é conhecido como o vulcão de São Gonçalo.

Débora Rodrigues Barbosa, geógrafa e docente da Universidade Estácio de Sá, explicou que também não se trata de um vulcão: “os corpos rochosos dos maciço Mendanha, Itaúna e da Ilha de Cabo Frio têm características geológicas, litológicas e petrográficas comuns. Ou seja, se em Nova Iguaçu não é vulcão exposto, também não é em Itauna. Fazem parte de uma antiga câmara magmática”.

Uma câmara magmática alimenta dutos que chegam até os vulcões, permitindo a liberação da lava. Com a abertura do Oceano Atlântico, houve a formação de um conjunto de linhas de fraqueza no Sudeste, que permitiu esse extravasamento do magma.

A geógrafa explicou que, de fato, a estrutura geológica da região foi definida como um vulcão em estudos mais antigos, mas com o avanço da tecnologia, novas pesquisas mostraram se tratar de uma câmara magmática.

Assim como em Cabo Frio e no Mendanha, em Itauna, as rochas foram interpretadas por trabalhos anteriores (Klein & Vieira, 1980; Klein, 1993; Klein et al., 1999;
Silveira et al., 2005) como sendo depósitos extrusivos, ou seja, que foram até a superfície e depois solidificados com o resfriamento (lava quando resfria), o que poderia significar vulcões extintos
“, disse.

Ela ainda completou: “a distribuição em áreas limitadas, os contatos subverticais de forma intrusiva (magma resfriando dentro da rocha) afirmam que essas rochas não são constituintes de depósitos de fluxo piroclástico (vulcão explodindo e lançando materiais, os piroclásticos), mas sim, de preenchimento de condutos e fissuras subvulcânicos, ou seja, dentro da câmara magmática”.

Débora ainda esclareceu que não há chance de um dia ser um vulcão ativo. “Ele nem era vulcão”, ressaltou

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui