Mais de 100 mil mulheres foram vítimas de violência no Estado do Rio, em 2021, segundo ISP

Segundo o Dossiê Mulher 2022, os registros de violência psicológica também aumentaram, perfazendo um total de 36.795 casos

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Reprodução: Internet

O Dossiê Mulher 2022, elaborado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), verificou que mais 100 mil mulheres foram vítimas de violência no Estado do Rio de Janeiro, em 2021. O documento foi apresentado aos integrantes da CPI da Violência Cibernética contra Mulheres, da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), na última quinta-feira (29). O ISP ressalva, no entanto, que o dossiê nem de longe representa a realidade das mulheres fluminenses, uma vez que muitas vítimas de agressão não denunciam os seus algozes.

A pesquisa verificou também que os registros de agressões psicológicas ultrapassaram os das agressões físicas, perfazendo um total de 36.795 casos, em 2021. O instituto acredita que também possa haver inúmeros casos não notificados.  

“Os dados foram levantados a partir de queixas registradas pela Polícia Civil e sabemos que muitas mulheres, por medo, acabam não denunciando, por isso, esse número é só um recorte. Mas queremos ter um retrato melhor dos crimes virtuais, que com a pandemia e o uso mais frequente da internet também aumentou”, afirmou a coordenadora do ISP Mulher, Elisângela Oliveira, lembrando que os casos de crimes virtuais contra mulheres também têm registrado acréscimo. Para a coordenadora, a união com o Governo Federal ajudará a melhorar a base de dados da instituição, que trabalha coletando dados do 190, da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) e dos Centros de Referências.

A presidente da CPI, a deputada Martha Rocha (PDT), salientou que cabe ao sistema de segurança do Estado criar ferramentas facilitadoras das denúncias, sem que a vítima precise ir à delegacia.

Advertisement

“Quando uma mulher comparece à delegacia, ficamos sabendo do fato daquele dia, mas provavelmente outros ocorreram anteriormente. Então, facilitar esse processo é uma ação fundamental para que ela registre sempre. Temos que olhar para o futuro e ver uma nova realidade em que a gente possa usar a tecnologia a favor da mulher”, destacou a deputada, ressaltando que, apesar dos bons resultados do registro on-line, é necessário elaborar ferramentas para fazer todo processo virtualmente.

Já a delegada Natacha Oliveira, especialista em crimes de internet, explicou que, atualmente, os crimes mais comuns são os patrimoniais e fraudes, violência psicológica e de perseguição. Ela também ressaltou que é necessário melhorar a qualificação dos policiais, além de aumentar o efetivo, que é insuficiente.

“É preciso que haja uma renovação dos quadros públicos, como também a permanente capacitação tecnológica desses servidores para que eles possam incrementar as investigações associadas ao uso das tecnologias. Os crimes no ambiente digital têm consequências imediatas e reais, e podem resultar muitas vezes em suicídios ou processos depressivos”, alertou a delegada.

As informações são do site Agenda do Poder.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Mais de 100 mil mulheres foram vítimas de violência no Estado do Rio, em 2021, segundo ISP
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui