Mais de 500 quentinhas vendidas ilegalmente são apreendidas no Leblon e Tijuca

Operação da Prefeitura aconteceu nesta quinta (25/05); foram 406 marmitas clandestinas apreendias no Leblon e 144 na Tijuca

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Apreensão de quentinhas no Rio de Janeiro em 25 de maio de 2023 - Foto: Divulgação/Seop

Nesta quinta-feira (25/05), uma operação da Prefeitura do Rio de Janeiro, comandada pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), apreendeu 550 quentinhas vendidas irregularmente nos bairros do Leblon e Tijuca, respectivamente zonas Sul e Norte da capital fluminense.

No Leblon, 406 marmitas clandestinas foram recolhidos, além de 145 bebidas, 3 bolsas térmicas, 48 suportes de marmitas, duas mesas, 4 bancos, duas cadeiras, bolsa ecológica e carrinho de feira.

Já na Tijuca, foram 144 quentinhas, 231 bebidas, 72 suportes de isopor, 6 banners de publicidade, 6 bancos, garrafas de água, uma chapa de hambúrguer, 1 botijão de gás e 3 guarda-sóis. Além disso, 4 veículos foram multados e 1 removido para o depósito público da cidade.

”A Seop está atenta aos ambulantes ilegais que insistem em vender mercadorias sem procedência e que podem colocar em risco a saúde das pessoas. Não vamos permitir que essa irregularidade continue acontecendo e vamos dar continuidade nessas operações”, afirmou o secretário Brenno Carnevale.

Advertisement

Leia também

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Polícia Militar planeja ampliar sistema de reconhecimento facial para 650 câmeras no RJ

Vale ressaltar que, só esta semana, a Seop já apreendeu 740 quentinhas vendidas ilegalmente na cidade. Essa ação visa ordenar as vias do município, tanto no sentido do trânsito quanto das calçadas para a circulação dos pedestres. Além disso, a ação é realizada para tirar de circulação alimentos feitos em locais inapropriados e fora da validade, proporcionando segurança à saúde da população carioca.

Segundo a Prefeitura, ”o cidadão que deseja realizar vendas nas ruas da cidade precisa ter licença e, mesmo que o veículo esteja estacionado em vaga regular, devidamente talonado, não é permitida a comercialização de produtos, uma vez que se configura venda irregular, sem autorização municipal, de acordo com a lei 1876/92, artigo 50 inciso 2, combinada à resolução 418/2022 da Secretaria de Ordem Pública”.

Vale destacar ainda que a ”Operação Quentinhas Ilegais” contou também com o apoio das subprefeituras da Zona Sul e Grande Tijuca.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Mais de 500 quentinhas vendidas ilegalmente são apreendidas no Leblon e Tijuca

Advertisement

17 COMENTÁRIOS

  1. Com certeza isso é lobby de restaurantes da região, quem trabalha na região sabe como é caro comer por lá e o ticket não dura ate o final do mês… Agora vem com esse papinho de que isso é para o bem do cidadão, pois não sabem a procedencia das marmitas…. Já passei mal comendo em restaurante e nunca tive nada em comida de rua! O estado nunca esta do lado do cidadão!

  2. Será que estão interessados em fazer o certo, de verdade? Na Pavuna há comércio de alimentos sobre um valão, camelôs e mototaxistas fechando faixas de rua, transporte alternativo(irregular) ocupando pontos de ônibus, fazendo de “rodoviária”… SEOP é só para “fazer vista” e a Prefeitura é um circo!

  3. Muita covardia ,o governo não dá emprego,as pessoas ficam sem opção de sobrevivência,e vem os cachorros adestrados que na verdade sobrevivem as custas do dinheiro dos contribuintes,que são estas pessoas,aí vc estumam eles como pitibuls,e fazem a vontade destes lixos governistas, que só pensam em arrecadar,vcs cambada de Zaqueu cobradores de impostos vão queimar no inferno,o sim Dim seus saem destas pessoas simples também,mas é cômodo vcs tem os seus malditos salários.

  4. Outro problema grave e o pessoal vendendo esses produtos fifos’ quer dizer próximo da validade em vários locais aqui em São conrado próximo metrô e um descaso das autoridades eles vendem tudo sem refrigeração só vão parar quando matarem alguém e eles colocam sempre no anoitecer para não ter fiscalização

  5. Parabéns aos responsáveis pelo roubo, pq quem vende quentinha esta em situação ruim, excluído do mercado de trabalho e ve uma opção para nao depender de auxílio e nao roubar.

  6. Operação da Sop. Quero ver quando os guardinhas municipais vão fazer a função deles. Nos hospitais do município estão sem contrato o serviço de segurança, não vejo a GM indo lá fazer uma segurança, já que é função constitucional deles. Já para ficar na rua recolhendo quentinhas e no trânsito multando os cidadãos, para isso são eficientes. Ah, só para não esquecer. A GM do RJ é a que tem a melhor escala de serviço só Brasil. Trabalha 12 e folga 36h. Essa escala é melhor do que a da saúde, educação. Acho que vou fazer a provinha da GM. Afinal de contas , trabalhar pouco e ganhar uma graninha, não faz mal para ninguém.

  7. O comércio de drogas, o prefeito não tem coragem de enfrentar. Já o trabalhador ou trabalhadora vendendo quentinha é o inimigo número 1 da saúde…

    Quá quá quá

  8. A SEOP deveria tbm fazer uma operação em Madureira. A Edgar Romero no trecho entre o mercadao e Conselheiro Galvão não tem espaço para pedestres nas calçadas e somente uma faixa de rolamento para os veículos. Carros estacionados obstruindo a via neste trecho.
    Estrada do Portela a gente não consegue ver as lojas devido tantas barracas nas calçadas. Até na calçada do shopping é difícil de andar. Comida bebida suco de laranja barraca de pastel alimento perecível sem refrigeração entre outros.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui