Márcia Silveira: mulheres negras contando sua própria história

Professora e pesquisadora Giovana Xavier produziu uma obra sobre o silenciamento das intelectuais negras, que têm suas pesquisas relacionadas às questões da negritude desvalorizadas no meio acadêmico

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação

Desde o título do livro, a professora e pesquisadora Giovana Xavier já diz a que veio: Você pode substituir Mulheres Negras como objeto de estudo por Mulheres Negras contando sua própria história (2019, ed. Malê). Um nome grande para um assunto de importância ainda maior.

A obra reúne textos escritos por Giovana entre 2015 e 2019. O tema principal, como o próprio título mostra, é o silenciamento das intelectuais negras, que têm suas pesquisas relacionadas às questões da negritude desvalorizadas no meio acadêmico, enquanto pesquisadores brancos têm seus trabalhos enaltecidos. A justificativa é de que a ciência pressupõe uma suposta “neutralidade” ou distância entre sujeito e objeto. Em função desta mentalidade, a história dos negros e negras foi, por muito tempo, contada apenas por homens brancos.

(…) em um país de maioria de mulheres e negros as formas de produção do conhecimento em espaços de poder continuam baseadas na lógica conhecimento branco versus experiência negra. Uma forma perversa de hierarquizar sujeitos e saberes. Como afirma Grada Kilomba: ‘não estamos lidando com uma ‘coexistência pacífica de palavras’ mas com uma hierarquia violenta, que define quem pode falar e quem pode produzir conhecimentos’”.

O livro traz questões essenciais relacionadas às desigualdades de gênero, raça e classe no Brasil. Giovana destaca a importância das políticas públicas para que cada vez mais pessoas negras – historicamente silenciadas – tenham acesso à universidade e possam, assim, contar suas próprias histórias. A autora defende uma “ciência na primeira pessoa” e cita outra ilustre pesquisadora negra, a escritora Conceição Evaristo, que “chama essa relação entre subjetivo e objetivo de ‘escrevivência’. Isto é, o texto que você escreve carrega necessariamente quem você é, ensina a mestra.

Advertisement

Leia também

Polícia Militar planeja ampliar sistema de reconhecimento facial para 650 câmeras no RJ

AquaRio promove primeira sessão para pessoas com Autismo

Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Giovana Xavier fundou em 2014 o Grupo de Estudos e Pesquisas Intelectuais Negras, no qual ela e as alunas leem e discutem a produção intelectual de mulheres negras. Para além dos estudos e do conhecimento destas obras, o grupo busca trazer para as alunas o entendimento de que elas também são intelectuais, pois muitas não se sentem pertencentes ao espaço da universidade, em função da histórica mentalidade escravagista que diz que cada um tem o seu lugar – e o de mulheres negras não é na universidade. Giovana aponta o que o filósofo estadunidense Cornel West denominou “dilema do intelectual negro”:

Esse dilema é caracterizado por uma série de inquietações que vão desde a dificuldade que pessoas, em especial mulheres negras, possuem de valorizar seu trabalho mental como relevante. Esse bloqueio é consequência direta da memória da escravidão, já que em todos os espaços somos, em algum momento, enxergadas pelas vias da erotização, sexualização e objetificação.

Giovana Xavier costuma dizer que é “muitas versões em uma só”. Professora, pesquisadora, escritora, mãe, surfista e dançarina são algumas das palavras que podem ser associadas a ela. Logo no início do livro, a autora diz que, ao ser convidada para escrever para um jornal, não quis ficar restrita a falar sobre racismo e que, ao aceitar o convite, teve início um dos seus maiores desafios: “Escrever sobre tudo sem deixar de ser eu mesma.” E são os múltiplos “eus” de Giovana que aparecem em seus artigos. Ela escreve em primeira pessoa e não teria como ser diferente.

A trajetória de sucesso de Giovana Xavier é um importante incentivo para que cada vez mais mulheres negras compreendam o seu próprio valor intelectual. E para que todos entendam que lugar de mulher negra é, sim, na universidade – e onde mais ela quiser.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Márcia Silveira: mulheres negras contando sua própria história

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui