Na Cidade de Deus, a candidata à Prefeitura do Rio em 2020, Delegada Martha Rocha, e o seu vice Anderson Quack, que nasceu e cresceu na Cidade de Deus, prometeram às pessoas das comunidades cariocas de um governo que vai unir a “cidade partida” e maltratada pelos últimos prefeitos. A começar pelas melhorias no tratamento do esgoto das favelas.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Estou aqui, com o meu companheiro de chapa, caminhando pela Cidade de Deus. Ouvi muito sobre o saneamento básico. Essa é uma prioridade nossa para as comunidades e favelas, além de servir de prevenção contra os desastres provocados pelas chuvas, que já começaram”, afirmou a candidata, sob os pingos de chuva que caiam na CDD neste domingo (1). “A Cidade de Deus reflete muitas outras favelas cariocas. Estamos aqui para entender melhor as necessidades das comunidades. A Cidade de Deus reflete muitas outras favelas. Vamos ouvir todas, CDD, Mangueira, Rocinha, Jacaré, Maré. Entendemos que a cidade é uma só”, disse o vice Anderson Quack.

Outro aspecto citado pela candidata e seu vice foi a riqueza de oportunidades que o empreendedorismo pode gerar nas favelas. “Há esse espaço de crescimento da economia e que foi abandonado”, disse Martha Rocha.

Os dois integrantes da chapa para a Prefeitura do Rio do PDT e PSB, Martha e Anderson, conversaram com as pessoas na feira e ouviram reinvindicações de lideranças comunitárias reunidas na sede da Associação de moradores União comunitária da CDD. Os relatos foram sobre o abandono da região tanto pelo atual prefeito como pelo ex.

Agora os dois aparecem na TV falando que fizeram alguma coisa pelas comunidades e favelas. Mas isso é só na propaganda dos dois candidatos. A realidade é essa que tem sido relatada pelas pessoas aqui, de falta até de saneamento básico. Esse olhar atento para melhorar a estrutura das favelas e comunidades será uma marca da nossa gestão, que vai unir a ‘cidade partida’”, definiu Martha Rocha.

Carnaval

Martha Rocha e Anderson Quack também falaram sobre a importância do carnaval e da cultura para o desenvolvimento econômico do Rio, sobretudo em favelas e comunidades. Segundo um estudo recente da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2018, o carnaval foi responsável pela criação de mais de 70 mil postos de trabalho e gerou uma arrecadação de R$ 179 milhões em impostos. A candidata afirmou que, em seu governo, a Prefeitura voltará a apoiar financeiramente às escolas de samba.  Em contrapartida, as escolas participarão de eventos educacionais e culturais para os alunos da rede municipal:

As agremiações participarão, entre outras obrigações, de projetos sociais e educacionais na rede municipal de Educação, para que nossos alunos possam conhecer com mais profundidade as nossas raízes africanas e indígenas e compreender a riqueza e diversidade cultural brasileira — afirmou.

Segundo ela, também como parte do apoio, as agremiações participarão de eventos culturais nas comunidades.

_ A atenção ao carnaval não pode estar sujeita aos caprichos e orientações ideológicas ou religiosas deste ou daquele prefeito. A cidade precisa de estratégias sólidas, permanentes, que sejam avaliadas periodicamente e submetidas ao controle público. Somente assim, o Rio poderá explorar todo o potencial do carnaval carioca, com uma agenda de eventos para o ano todo.

Quintino Gomes Freire

Diretor-Executivo do Diário do RIo e defensor do Carioca Way of Life

2 COMENTÁRIOS

  1. Tem algo errado. Uma ” ” “policial” ” ” (entre muitas aspas), entrar e sair na Cidade de Deus para distribuir apertos de mãos. Haja acordos escusos!

  2. Como a equipe do Diário do Rio observou no bate-papo da live anterior, ela precisa mudar esse fotógrafo…
    Mas digo também que mostrar mais espontaneidade e proximidade com o público, no corpo a corpo.
    Pela leitura da expressão corporal dela parece que ela se aproxima se distanciando. Não vale dizer que ela está fazendo meio distanciamento.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui