Maria Luiza Nobre: Theatro Municipal do Rio abre Temporada Oficial de 2024

Colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre programação do Theatro Municipal

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto Leonardo Ferraz/Divulgação

THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO
O mais importante teatro do país, o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, inicia no próximo dia 8 de março, às 19h, a Temporada Oficial de 2024, com a Série Celebrações, homenageando L.Beethoven, J.Brahms e A.Bruckner. O concerto de abertura terá o Coro e a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, sob a regência do maestro titular da OSTM, Felipe Prazeres. O violinista Guido Sant’Anna, será o solista do Concerto para Violino e Orquestra de J.Brahms e a soprano Michele Menezes, a mezzo-soprano Lara Cavalcanti, o tenor Guilherme Moreira e o baixo Leonardo Thieze, serão os solistas do Te Deum de A.Bruckner. 

Concerto de Abertura da Temporada Oficial de 2024 do TMRJ
Dia 8 de março, às 19h
Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Praça Floriano Peixoto, s/n – Centro
Tel: 2332-9191
Ingressos à venda na bilheteria 

YUJA WANG
Vencedora do Grammy 2024 de melhor álbum clássico, a pianista Yuja Wang fará um recital dia 13 de março, ás 20h horas no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, abrindo a Série Dell”Arte de Concertos Internacionais. Yuja é considerada como a maior pianista da atualidade e a oportunidade é especial para ouvir e ver um dos maiores fenômenos do piano. Só para ilustrar o poder da artista, ela foi solista, na mesma noite, dos quatro Concertos para Piano e Orquestra de S.Rachmaninov no Carnegie Hall em Nova Iorque levando ao delírio a platéia que lotou o local por horas. Semana que vem tem mais novidades.

UERÊ
O Projeto Uerê e a pedagogia Uerê-Mello recebem em Paris, no dia 13 de março, o prêmio de melhor projeto educacional durante um jantar de gala, e que será entregue pela presidente da Fundação Air France e pelo reitor da Sorbonne. Esse trabalho foi criado pela professora Yvonne Bezerra de Mello, que estudou na Sorbonne, em Paris, desenvolve o projeto no Ro de Janeiro e também implantará, em Marseille, o programa de refugiados em zona de risco. Yvonne é uma ativista internacional e o Uerê está desenvolvendo um caminho de êxito em suas propostas. 

Advertisement

ORQUESTRA SINFÔNICA JOVEM DO RIO
A Orquestra Sinfônica Jovem do Rio faz o concerto de abertura da sua temporada de 2024, às 19h, no Theatro Muncipal do Rio de Janeiro, e terá como solista o pianista Leonardo Hilsdorf e a regência do maestro Tobias Volkmann. No programa obras de E.Grieg e P.Tchaikovsky.

Concerto de Abertura da Temporada 2024 
Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro
Dia 6 de março, às 19h
Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Praça Floriano Peixoto, s/n – Centro
Tel: 2332-9191
Ingressos à venda na bilheteria 

4a. CONFERÊNCIA NACIONAL DE CULTURA
Hoje é a primeira reunião da 4a.Conferência Nacional de Cultura, que se realiza até o dia 8 de março em Brasília, sob os auspícios do Ministério da Cultura. A iniciativa é o ponto culminante das Conferências Estaduais de Cultura que foram realizadas até o mês de janeiro em todo o país. A expectativa é enorme uma vez que desde 2014 não eram realizadas conferências nacionais. Para as reuniões de Brasília estão previstas as participações de 3000 pessoas como delegados com direito a voz e a voto, que irão trazer as metas eleitas nas Conferências Estaduais, o que será, com certeza, a base para o novo  Plano Nacional de Cultura – PNC.

Entre as muitas atividades em torno dos Eixos Temáticos constantes no PNC e de suas Setoriais, o Ministério da Cultura permitiu que ações autogestionadas fossem propostas, desde que assinadas e defendidas por três delegados de distintos estados. É onde entra o trabalho de Eric Herrero, pelo Rio de Janeiro, Mere Oliveira, por São Paulo, Marino Jr. e Nicolás Gonzales, pelo Paraná e Tatiane Fernandes, pelo Rio Grande do Norte que uniram forças para levar a Ópera para o centro da discussão e propor importantes ações para o setor.

“Quando Mere entrou em contato comigo, vi importantes pontos convergentes de sua proposta com o que discutimos na revisão do Plano Estadual de Música RJ, realizada pelo Colegiado Estadual de Música – CEMURJ, formado durante a pandemia.”, diz Eric Herrero, que foi presidente do Colegiado e, atualmente, preside o Conselho Estadual de Política Cultural – CEPC/RJ.

“Ópera e Música de Concerto como motores do desenvolvimento criativo e sustentável” é o título dado à esta importante ação que iniciou-se com Mere Oliveira, Mezzo-soprano de Taubaté e miltante da cultura: “Estabelecer políticas públicas de Cultura, com a participação da sociedade civil junto com o poder público é o desafio apresentado pelo SNC, esse documento norteador da política cultural do país será o nosso norteador nos próximos 10 anos. A 4ª Conferência Nacional de Cultura é um marco decisivo, após 10 anos de ausência, no diálogo e trabalho coletivo pela Cultura, e a Música de Concerto e a Ópera, na busca pela eqüidade e desenvolvimento, continuidade, força de trabalho e qualificação estará lá.  Nossos novos futuros começam a gora”.

A discussão que acontecerá no dia 06, das 19h às 21h trará os seguintes pontos de discussão. entre eles “Ações para estruturar centros de documentação e preservação de acervos musicais”, “Ações que garantam a longevidade e continuidade de corpos artísticos, teatros e festivais do setor”, “Ações que permitam a abrangência e disponibilidade em todo o território nacional da disciplina da música de concerto e ópera, considerando os grandes deslocamentos para usufruir de espetáculos de esta índole para quem não mora nos grandes centros”, “Centros de formação de profissionais da área artística da música de concerto e ópera, ou apoio técnico e financeiro para instituições que já se dediquem neste quesito do interior dos estados”, “Centros de formação de profissionais da área técnica e, apoio às instituições que já formam profissionais nestas áreas”, “Fomento à composição contemporânea e produção da música de concerto e da ópera, enfatizando especialmente a utilização da literatura de escritores negros e indígenas brasileiros”, “Criação de programas de bolsas de estudo para artistas (cantores, instrumentistas, diretores, maestros) e profissionais da área técnica negros e indígenas”,  “Criação e manutenção de corpos artísticos (Orquestra, Coro e Balé) em todas as capitais dos estados, bem como nas principais regiões administrativas do interior dos estados com temporadas estabelecidas, e em cooperação com corredores de circulação de estados vizinhos” e “Festivais regionais de ópera e música de concerto, voltados ao aperfeiçoamento e intercâmbio para crianças e jovens”. 

Também completa Eric Herrero, um dos delegados do Rio de Janeiro, “A Ópera é uma indústria potente que mantém e cria milhares de empregos diretos e indiretos gerando renda e pulverizando recursos de maneira eficaz, pois uma única produção movimenta toda uma economia criativa, desde a compra de insumos, tecidos, madeira, ferro, além de aumentar o fluxo do transporte coletivo e dinamizar o comércio local, fazendo com que recursos voltem às esferas governamentais, através do montante de impostos recolhidos. Tal qual o Carnaval, linguagem tão próxima quanto à estrutura, merece total atenção e apoio do Poder Público!”.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Maria Luiza Nobre: Theatro Municipal do Rio abre Temporada Oficial de 2024
Advertisement
lapa dos mercadores 2024 Maria Luiza Nobre: Theatro Municipal do Rio abre Temporada Oficial de 2024
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui