Médica dá dicas de cuidados com a pele em dias de sol no Rio de Janeiro

Dra. Maíra Duarte, biomédica esteta, pontua que a pele é a parte corpo humano que mais sofre danos quando exposta ao sol de maneira incorreta

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Praia de Ipanema - Foto: Ricardo M R Pereira

As altas temperaturas durante o verão no Rio de Janeiro têm chamado a atenção. A cidade surpreendeu ao registrar uma sensação térmica de 54°C. Nesse período do ano é indispensável manter a boa hidratação do corpo, por dentro e por fora. É necessário também intensificar o uso do filtro solar, para evitar os problemas que os dias mais quentes do ano podem causar à pele.

De acordo com a biomédica esteta Maíra Duarte, para aproveitar bem o verão é importante tomar todos os cuidados e evitar danos na pele. O uso do protetor solar diariamente é indispensável. Porém, em caso de queimaduras feitas pelo sol, o indicado para tratar o problema é optar por um sabonete mais suave ao tomar banho. Ativos como pantenol, alantoina, silicones, óleos de uva ou macadâmia, vitamina E, aloe vera, lactato, ceramidas e aveia, podem ajudar. É possível também usar cicatrizantes para um conforto imediato, ou loções corporais, que ainda ajudam a reter água e nutrientes nas camadas mais profundas da pele.

“Por estar extremamente ressecada, a pele pode, além de ficar opaca e manchada, começar a descascar. O ideal é massagear suavemente durante o banho para soltar a pele morta e, em seguida, hidratar bem. Mas, tenha cuidado se a pele possui tendência a espinhas. Nesse caso, use produtos leves, como gel e loção”, comentou.

“A pele é a parte do corpo humano que mais é danificada quando exposta ao sol de maneira incorreta. Queimaduras de diferentes graus, alergias e o surgimento de manchas são apenas alguns exemplos dos problemas causados pela exposição excessiva”, completou.

Advertisement

Leia também

Terminal Gentileza começa a operar para população; veja detalhes

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

A especialista alerta que, além dos problemas relativamente imediatos, outros podem surgir ao longo dos anos, como envelhecimento precoce pela perda da elasticidade da pele, surgimento de rugas e o câncer. A Dra. Maíra reforça que o câncer de pele, sem dúvidas, é a consequência mais preocupante, uma vez que a doença pode ocasionar a morte. Ela aconselha que, se as queimaduras de pele ficam muito doloridas ou causam até febre, o indicado é procurar um dermatologista.

Geralmente, em queimaduras de segundo grau, é necessário a limpeza do local e o uso de cremes com corticoides e antibióticos. Depois, o sol deve ser evitado. O indicado ainda é proteger-se com bonés e roupas que cubram a área afetada. Quando houver bolhas, deve-se esperar que elas sumam para depois tratar com soro fisiológico e cremes. Também são usados hidratantes com vitaminas algumas vezes ao dia. Grandes queimaduras podem causar desidratação e choque, tornando-se muito graves, motivo pelo qual se proteger do sol é medida obrigatória para auxiliar na recuperação”, aconselhou.

A biomédica esteta reforça ser indispensável o uso do protetor solar específico para seu corpo e rosto. Ela ressalta que esse é o item mais importante para qualquer época do ano, especialmente no verão. A água termal é outro produto aliado da saúde da pele, por ser rica em nutrientes e proteger contra agressões externas.

São produtos que sempre devem estar na nécessaire. O protetor vai resguardar dos raios solares e criar uma barreira que impede a perda de água da pele, prevenindo assim a desidratação, insolação, queimaduras de sol e envelhecimento precoce. Já a água termal reforça a barreira cutânea, protege das agressões externas e acalma a pele, sendo ideal para durante e após a exposição ao sol”, concluiu.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Médica dá dicas de cuidados com a pele em dias de sol no Rio de Janeiro

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui