Mega evento de rádio ligada a políticos evangélicos pode destruir o que sobrou da Quinta da Boavista

'Louvorzão 93" é um evento pra 50.000 pessoas nos jardins do bem tombado para celebrar o "legado do senador Arolde de Oliveira". Evento semelhante foi proibido pelo MP e pelo Iphan em 2016. O barulho pode causar malefícios aos animais do Zôo e a multidão aos jardins, estátuas e gramados.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Quinta da Boa Vista

Um evento evangélico para mais de 50 mil pessoas está sendo programado para ocorrer na Quinta da Boavista. O belo parque, cujo belo palácio foi incendiado pela negligência dos dirigentes da UFRJ, não tem, segundo especialistas, estrutura para receber mega eventos. O limite atual para eventos no entorno do palácio de São Cristóvão destruído pela incompetência federal é de 5.000 pessoas. O mega show programado para ocorrer neste dia 15 de abril é uma realização da produtora MK Music e da rádio evangélica 93FM, ambas de propriedade do falecido senador Arolde de Oliveira.

O “Louvorzão 93“, segundo sua organização, vai reunir dezenas de milhares de pessoas, numa maratona de shows que reunirá nomes da música evangélica neopentecostal, com 23 atrações “confirmadas” que incluem Aline Barros, Anderson Freire e outros famosos do segmento. Os artistas evangélicos se apresentarão à gigantesca multidão das 14 às 23h do dia 15.

A multidão prevista representa mais de dez vezes a capacidade do combalido parque. Curiosamente, um evento de semelhantes proporções foi vetado em 2016, quando o Palácio ainda nem estava em ruínas por conta do incêndio, que ocorreu 2 anos depois. Na ocasião o Ministério Público se insurgiu – e com razão – contra o Ultra Rio Brasil, uma mega festa ‘rave, feita para público também de dezenas de milhares de pessoas. Na ocasião, o MP citou os riscos ao patrimônio nacional, e também o problema do som altíssimo, que pode colocar em risco os animais do Jardim Zoológico (Bioparque), que fica bem ao lado. Na época, o MP demonstrou que o pedido havia sido indeferido pelo Iphan, o que, segundo fontes, parece ter ocorrido também no caso do Louvorzão.

Na época, o MP citou os estragos que poderiam ocorrer também com a instalação de centenas de banheiros químicos, instalação de palcos e outros fatores que causariam “impactos negativos ao patrimônio tombado“, além do mal estar que causaria aos animais do Zoológico (atual Bioparque). A emissão de decibéis de megashows é considerada altíssima por especialistas. O que foi chamado de “Tesouro Arqueológico“, não poderia ser danificado pelo uso de equipamentos e instrumentos eletrônicos. Na época, o procurador da república Jaime Mitropoulos deixou claro que havia necessidade urgente de impedir a realização de condutas que poderiam causar danos ao patrimônio cultural brasileiro. Assim, seus destrambelhados organizadores – que na época tinham, patrocínio da Prefeitura – tiveram que levar o evento para o Sambódromo.

Advertisement

Leia também

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Polícia Militar planeja ampliar sistema de reconhecimento facial para 650 câmeras no RJ

Agora, porém, os organizadores são um dos mais fortes conglomerados empresariais evangélicos do país. A Secretária Estadual de Cultura resolveu patrocinar o evento; a titular da pasta, Daniele Barros, é irmã do polêmico deputado federal Áureo Ribeiro (Solidariedade), integrante da bancada evangélica que foi citado várias vezes na delação do ex-deputado José Severino Silva Felinto, quando do afastamento do deputado Eduardo Cunha. À época, Áureo foi acusado de fazer requerimentos com o intuito de pressionar empresários, em suposto conluio com Nelson Bornier, ex-prefeito de Nova Iguaçu já falecido. Na ocasião, acusado de ser amigo de Cunha, o irmão da Secretária de Cultura disse que sua relação com ele era “institucional“. O então assessor do ex-ministro da saúde petista Alexandre Padilha também mencionou o deputado: disse que recebeu 200 mil reais em pagamentos intermediados por Áureo. O assunto, porém, foi arquivado. Esta intrépida trupe está dentre os mais ávidos organizadores do “Louvorzão”.

Tão ávidos que fizeram requerimento ao Iphan para aprovação da entrada da multidão nos jardins da Quinta bem em cima da hora, e cientes do teor da INFORMAÇÃO BÁSICA 217/2018, que regula os eventos na Quinta da Boa Vista (abaixo).

Captura de Tela 2022 04 11 as 20.59.22 Mega evento de rádio ligada a políticos evangélicos pode destruir o que sobrou da Quinta da Boavista
No documento público acima, o IPHAN informa os organizadores do LOUVORZÃO as regras para realização de eventos no local. Eventos acima de 5.000 pessoas estão vetados, como proteção ao patrimônio.

O parque é repleto de jardins, estátuas, fontes e outros bens tutelados pelo Iphan, órgão responsável pelo Patrimônio Cultural, que explicou na ocasião serem os jardins do Palácio indissociáveis do mesmo. Na época da ‘rave’ que acabou transferida pro Sambódromo, só a montagem de palcos – pois o evento não chegou a ser realizado – causou danos graves aos jardins do Palácio, que geraram multa de R$ 82.050,00 e a obrigação de reparação de danos, inclusive o gramado, quase que totalmente destruído.

Marina de Oliveira, herdeira de Arolde, falou à Folha dos Lagos sobre o assunto no dia 20 de março, e disse que “precisou de muita força de vontade para manter segredo até anunciar oficialmente que o Louvorzão 93, edição 2022, seria uma realidade“. Marina disse que a essência do evento é celebrar o “legado do senador Arolde de Oliveira“, conhecido também como um dos maiores magnatas do showbusiness neopentecostal.

Segundo o artigo 62 da lei 9.605/98, constitui crime destruir, inutilizar ou deteriorar bem tombado, inclusive por culpa. Será que celebrar o legado do senador-empresário evangélico justifica pisotear a norma vigente – e que valeu pros organizadores da ‘rave’- e destruir de vez os jardins do Palácio de São Cristóvão? É daqueles que compensa?

O pedido foi negado pelo Iphan mas os políticos-organizadores não cancelaram o evento até o momento. Devem achar que o apoio do Presidente Jair Bolsonaro – e o suporte contínuo a ele dado pela bancada evangélica – lhes garante poder absoluto e multiplica por dez a capacidade de receber pessoas da Quinta da Boa Vista e do entorno do Palácio Imperial. Afinal, são amigos do Rei.

Procuramos a Superintendência do Iphan, que não se pronunciou até o fechamento desta matéria. Informações do processo on-line dão conta de que o órgão indeferiu a realização do evento, e o recurso dos organizadores foi enviado para “análise“.

Atualizado em 13 de Abril de 2022 – 19h41min

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Mega evento de rádio ligada a políticos evangélicos pode destruir o que sobrou da Quinta da Boavista

Advertisement

41 COMENTÁRIOS

  1. Este tipo de evento, muito louvável, deveria ser em um local na Rio-São Paulo onde há muito espaço, ninguém a incomodar e nenhum patrimônio público (este de TODOS religiosos ou ateus).
    Ou perto de áreas desertas em Campo Grande ou Santa cruz. Acho que todos tem direito a manifestação, religiosa, pólítica ou outras mas há de se preservar a história e o respeito aos que não participam.
    Homenagem ao glorioso quem?

    • volta para teu Pais sr. matubayashi, aqui e brasil dos brasileiros, respeito e bom e nos gostamos…. louvorsão do dinheirão em local publico sai de graça e da para economizar um dinheirão de aluguel. o carnaval sempre teve e e sempre foi nas ruas e agora na marques de Sapucaí. vaza daqui volta para seu lugar

  2. Reportagem totalmente preconceituosa. Evento evangélico é para as famílias. Nunca destruí nada. Pelo contrário, edifica, constrói, agrega. Uma vergonha esse tipo de jornalismo tendencioso.

    • É chocante ver que para parte da população, o interesse de um grupo ultrapassa o reconhecimento e valor de um dos bens mais preciosos do país. Fora o desconhecimento histórico, já que sediou o único Império Europeu fora da Europa… Mas o assustador é ver que não se pode comentar dos riscos que tem grupos que saem atacando… Independente de ser rave, evangélico ou funk, a Quinta não é lugar para aglomeração e ponto final.

  3. a RÁDIO NÃO ESTÁ NEM AÍ PRA ISSO, SERÁ FEITO EM OUTRO LUGAR MUITO MELHOR E ESPAÇOSO, AQUELA QUINTA HORROROSA… DEUS ME LIVRE… E SE PREPAREM, O NOVO LOCAL VAI ATRAIR MUITOS MAIS PESSOAS…..
    PODEM VCS CONTINUAR TENTANDO! Mas não IRão conseguir!

  4. Nossa, a matéria demonstra cunho preconceituoso, creio que por se tratar de um evento gospel.
    No momento, diversos eventos estão sendo realizados e não vi uma chamada tão polêmica como esta.
    Na minha opinião, não deveria ter nenhum evento neste momento, mas o futebol não parou nunca, o carnaval está a mil, os produtores de show estão surfando na onda.
    Depois eles resolvem!

  5. Outra coisa, o evento ser na Quinta da Boa Vista é pelo simples fato de ser território próximo a sede da rádio 93 em São Cristóvão. Repito, não sou contra o evento, mas existem locais preparados para isso.

  6. ALÔ DIARIO DO RIO ! VAMOS MELHORAR O NIVEL DOS JORNALISTAS.
    Materia totalmente imparcial. Já participei de varias edições deste mesmo evento na quinta e não houve nenhum prejuizo , pelo contrário. Ajuda a divulgar o Bio Parque , traz lucro para o comércio. Todos ganham.
    O perfil do público e família. Totalmente diferente das raves , onde as drogas são vendidas a vontade, brigas e confusões, depredação , sexo ao ar livre e outras aberrações são normais . Ao final da rave sobram cacos de garrafas, muito prejuízo ao patrimônio público e muita sujeira , camisinhas usadas pelo chão (quando usam) sêmen ,uma nojeira. Não dá para comparar um evento com o outro.
    A lente da ideologia de esquerda infelizmente cega.

  7. 50 mil pessoas é praticamente um mega bloco de carnaval…
    Por que não fazem num estádio de futebol do Engenhão ou Maracanã?
    No Aterro do Flamengo?
    Na Avs. Presidente Vargas ou Presidente Antonio Carlos?
    Ou no Parque dos Atletas na Barra?

  8. Totalmente preconceituosa a matéria e ideológica, pensei que se tratasse de informação imparcial ,mas percebi que não, o evento sempre ocorreu na quinta da boa vista a muitos anos , como a área aberta para todos os cidadãos no Rio e fora , mas essa matéria fica claro o cunho político. Lamentável, perderam um seguidor e certamente farei muita propaganda contra o canal e qualquer outro que tenha parcialidade política.

    • Eventos de blocos que também ocorrem todos os anos tem muitos dos blocos remanejados conforme expectativa de público…
      Blocos que antes eram realizados em Copacabana, Ipanema, quando aumentou muito o público, passaram para o Aterro do Flamengo, Presidente Vargas ou Presidente Antonio Carlos no Centro.

    • Concordo plenamente com você Julio Cesar. Ao invés de se aterem a passar a informação de forma imparcial, clara e objetiva, destilam veneno com suas palavras. Realmente não tem com seguir.

  9. Esse país é uma bagunça como já sabemos e ninguém vai fazer nada. Político e artista aqui faz que quer. E a lei de proteção ambiental que era pra ser cumprida na íntegra não passa de mais uma lei que ninguém respeita.

    • Que resposta mais sem sentido!!!!!!! A matéria fala claramente no número superior de pessoas do que é permitido no local e do maleficio que o barulho faria aos animais. Tanto faz funk, gospel, samba, rock……..simples assim. Trata-se de preservação de um bem público e tombado.

    • Não não poderia. Você leu a matéria e viu que uma festa rave também foi cancelada pelo mês.k motivo? A questão não é o tipo de evento, mas seu porte.

  10. Sinto cheiro de preconceito religioso, o estranho que em outros eventos não existe um comentário sequer contra. Deixem de ser canalhas e tomem vergonha na cara.

  11. Apenas querem mostrar poder. De dinheiro , influência.
    Aqui no bairro onde moro um shopping chamado Tem tudo o cunhado de Edir Macedo comprou e praticamente tá as moscas .

  12. Autoridades federais, estaduais e municipais em seu melhor: c*gando para o patrimônio público para favorecer compadres ou embolsar um cacife extra. O Aterro do Flamengo, o entorno do MAM e a Cinelândia vêm sendo depredados há tempos com eventos (principalmente raves, além de eventuais cultos evangélicos ou atos políticos) e, apesar de protestos de moradores da região, esses eventos são cada vez mais frequentes. O entorno da Marina da Glória e os jardins do MAM estão completamente abandonados, sendo muito danificados depois dessas festas e sem qualquer manutenção feita depois.

  13. Eu só gostaria de saber porque não fazem o evento em um estádio de futebol, por exemplo, porque tem de ser ali? Por que nesse local? O que querem provar? A quem querem mostrar poder? No meu entendimento, que não gosto de nenhuma religião, passaram do limite há muito tempo! Eu visitei a Quinta há muitos anos, qdo fui ao Rio. Tomara passar logo esse pesadelo e voltem todos ao esgoto de onde saíram.

    • E eu so gostaria de saber o que tem religião a ver com o uso da Quinta para eventos? A Quinta recebe dezenas de eventos todos os anos e está maltratada graças ao descaso das autoridades locais e não graças aos eventos! Nao vi ninguém reclamando quando fizeram o show da Ludmila na Quinta. Volte para o seu esgoto, a senhora! Lixo de preconceituoso e sem noção como a senhora ainda vai pagar caro nessa vida!

  14. Esse e outros tipos de eventos que atraem milhares de pessoas, deveriam sempre ser direcionados para áreas distantes da cidade para evitar esses transtornos citados pela reportagem. Afinal São Cristóvão, além de jardim zoologico e quinta da boa vista, é um bairro residencial, contando , inclusive com um hospital.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui