Metade da população da Região Metropolitana do RJ vive com menos que 1 salário mínimo por mês

A cesta básica da capital fluminense foi a quarta mais cara do país em agosto deste ano, com valor de R$ 722,78

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Pessoas andam pelo centro do Rio de Janeiro | Foto: Rafa Pereira - Diário do Rio

De acordo com o Mapa da Desigualdade 2023, cerca de 50% da população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro vive com menos de um salário mínimo (R$1320) por mês. Produzido pela Casa Fluminense, o estudo traz 40 indicadores que apresentam em que condições nascem e sobrevivem as pessoas do nosso estado.

Ainda segundo os dados do Mapa da Desigualdade, nos municípios de Japeri e Tanguá, esse percentual sobe para nove entre 10 moradores vivendo com essa renda mensal.

salario Metade da população da Região Metropolitana do RJ vive com menos que 1 salário mínimo por mês

Em determinadas localidades da Baixada Fluminense, muitas pessoas vivem com cerca de R$ 660 mensais, revelam os dados.

Segundo o Banco Mundial, para uma pessoa ser considerada em situação de pobreza extrema, ela precisa ter uma renda de US$ 1,90 por dia ou menos. No Brasil, a renda mensal precisa ser de até R$ 665,02.

Advertisement

Dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), mostram que a cesta básica da capital fluminense foi a quarta mais cara do país em agosto deste ano, com valor de R$ 722,78. À frente do Rio de Janeiro estão São Paulo (R$ 748,47), Florianópolis (R$ 743,94) e Porto Alegre (R$ 760,59).

O DIEESE observa que “o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 114 horas e 59 minutos, maior do que o de março, de 112 horas e 53 minutos. Já em abril de 2022, a jornada média foi de 124 horas e 08 minutos. Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto de 7,5% referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu em média, em abril de 2023, 56,51% do rendimento para adquirir os produtos alimentícios básicos e, em março, 55,47% da renda líquida. Em abril de 2022, o percentual ficou em 61,00%”.

Todo mês é um aperto, a gente tem que fazer milagre para sobreviver, comer, pagar as contas“, afirma Antônio Souza, morador de Nova Iguaçu. Ele, casado e pai de dois filhos, recebe em torno de R$ 1.200 mensais fazendo trabalhos como pintor de parede e ajudando de pedreiro.

O Mapa da Desigualdade 2023 mostra que as pessoas com maior poder aquisitivo da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, que têm renda mensal acima R$ 3.960, se encontram no município de Niterói e em parte da capital do estado, sobretudo na Zona Sul da cidade.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Metade da população da Região Metropolitana do RJ vive com menos que 1 salário mínimo por mês
Advertisement

4 COMENTÁRIOS

  1. Se o Rio de Janeiro que está entre os 5 estados com maior renda per capta do país está deste jeito é fácil imaginar como anda nosso “Brasilzâo”.
    O Brasil está um miserê.

  2. Na verdade existem outros fatores alem da questão do petróleo e gás, como por exemplo a forte cultura de funcionalismo público e a fuga das indústrias para os outros estados. De nada adianta o RJ ter as maiores reservas de Oil&Gas se SP refina e produz muito mais derivados de petróleo com alto valor agregado, por ter uma indústria mais poderoso, principalmente porque a FIESP tem mais poder em Brasília do a nossa FIRJAN.

  3. A população fluminense está sendo ludibriada por uma propaganda anti Rio de Janeiro que já vem pelo menos há uns 50 anos.
    E por que esse tempo?
    Há uns 50 anos o Rio de Janeiro virou o maior produtor de petróleo do Bostil. De lá pra cá esse mesmo Bostil vem tirando os bilhões dos lucros do petróleo do Rio. A maioria desse dinheiro vai para Brasília, deixando aqui no Rio uma mixaria.
    Com o tempo o Rio também virou o maior produtor de gás do Bosti, e adivinhem, seguiu o mesmo projeto dos lucros do petróleo. Tiram também bilhões dos lucros do gás nos deixando com uma mixaria.
    Adivinhem para onde vão a maioria dos lucros do petróleo e gás Fluminense quando chega em Brasília?
    A bancada política Paulista leva para São Paulo a maioria desses bilhões, e as bancadas politicas sulistas (os Estados do Sul) e a bancada política mineira arrecadam uma boa parte considerável desses bilhões.
    Na questão da violência, já foi confirmado que mais de 90% das armas e drogas que alimentam as organizações criminosas, e consequentemente a violência no estado do Rio, vem das fronteiras com os Estados de São Paulo e Minas Gerais. Não vejo NENHUM empenho ou vontade desses estados fronteiriços em interceptar essas armas e drogas, deixando-me a entender que esses estados são incompetentes em agir contra a criminalidade em seus territórios, ou pior, esses estados fronteiriços estão cooperando com a entrada de armas e drogas no Rio com a intenção de um projeto pra lá de tenebroso que seria a desestabilização proposital do estado do Rio, ambicionando é claro, se apoderar definitivamente da produção e dos lucros bilionários do petróleo e gás do Rio de Janeiro.
    Me assusta a mídia Fluminense não informar a população do nosso estado que somos os maiores produtores de petróleo e gás do Bostil e que somos saqueados e sabotados o ano todo.
    Eu particularmente sou a favor da independência do estado do Rio de Janeiro como um país independente.
    Se nós somos o “patinho feio” do país, e ao mesmo tempo somos saqueados e sabotados pelo mesmo Bostil, por que devemos continuar sendo parte desse país?

    • Faz sentido. Vejo muito discurso de ódio contra o Rio e seus habitantes… e esse discurso não fica só na boca daqueles mocorongos almofadinhas da internet, eles também são ações de gente com algum poder e mal intencionada que nutre algum ódio contra o nosso errejota

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui