Ministério Público ajuíza ação para que Estação Ferroviária de Marechal Hermes seja recuperada

A ação civil pública pede que a Supervia, o Estado e o Município do Rio de Janeiro promovam a recuperação da estação

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto Cleomir Tavares / Diario do Rio

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou, na última terça-feira (10/10), uma ação civil pública (ACP) para que a Supervia, o Estado e o Município do Rio de Janeiro promovam a recuperação da Estação Ferroviária de Marechal Hermes. Para isso, deverão ser adotadas medidas emergenciais que garantam a segurança estrutural, limpeza, conservação, guarda, reparação e restauração integral da estação.

O pedido de urgência formulado pela 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Meio Ambiente e do Patrimônio Cultural da Capital foi motivado pelo péssimo estado de conservação e descaracterização da tipologia arquitetônica original. A Estação de Marechal Hermes é bem tombado por decreto municipal de 1996, em razão do seu valor histórico-cultural e arquitetônico.

De acordo com o laudo do Grupo de Apoio Técnico Especializado (GATE/MPRJ), que vistoriou a estação, a edificação apresenta proliferação crescente de vegetação na cobertura, cujas raízes danificam as estruturas e alvenarias; umidade descendente na alvenaria vinda das coberturas do torreão e do corpo da edificação, provocando a deterioração do revestimento em argamassa e elementos decorativos das fachadas; desalinhamento da cobertura, sugerindo algum tipo de deformação na estrutura; telhas quebradas; escorregamento de telhas; trechos da alvenaria do torreão com pichações na fachada voltada para a Rua João Vicente; e perda de elementos decorativos.  

Diante desse quadro, o GATE/MPRJ recomendou a execução de serviços emergenciais de conservação na cobertura e a elaboração de projeto de restauração que contemple a restituição da tipologia original da estação, conforme o seu tombamento, como forma de afastar o risco iminente de agravamento dos danos e ruína do bem tombado.

Advertisement

O pedido de urgência inclui a recuperação das coberturas tanto do corpo da edificação quanto do torreão para o estacamento das infiltrações de água. Esta intervenção implica a substituição das telhas quebradas por outras similares, o reencaixe das telhas cerâmicas tipo francesas, a eliminação da vegetação existente, entre outras medidas. 

Distribuída à 14ª Vara de Fazenda Pública, a ação tem como réus a Supervia, responsável direta por omissão, o Município do Rio de Janeiro, por ser o ente público que tombou a Estação de Marechal e não adotou nenhuma providência efetiva para impedir sua degradação, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro, por ser o proprietário do imóvel e o poder concedente da concessão do imóvel à Supervia. 

Histórico

A Estação Ferroviária de Marechal Hermes foi inaugurada em 1913. O nome foi em homenagem ao Presidente da República à época, Marechal Hermes da Fonseca, que governou o país entre 1910 e 1914, e que também denominou o primeiro bairro operário planejado do Brasil. O próprio presidente determinou a construção da Vila Marechal Hermes nos terrenos desapropriados da Fazenda Sapopemba, e que para essa decisão, teria se inspirado nas vilas operárias que conhecera em viagens à Alemanha e à França. 

Para a construção da estação, de estilo eclético, seguiu-se o modelo ferroviário marcadamente inglês, constituído por tijolos maciços, vindos diretamente da Inglaterra, telhas cerâmicas tipo francesas, ampla cobertura com estrutura em ferro fundido e elementos decorativos, como os azulejos de origem alemã e belga. 

Atualmente, embora a estação esteja na posse da Supervia, não é mais utilizada como local de embarque e desembarque de passageiros do ramal ferroviário que permanece em operação. 

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Ministério Público ajuíza ação para que Estação Ferroviária de Marechal Hermes seja recuperada
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui