Mordomo Carioca – Integração de Profissionais do Lar: o primeiro dia para entender bem, para atender melhor!

O ponto alto de muito orgulho para o Mordomo Carioca Ruan Schayder no desenvolvimento do seu módulo de Integração de Profissionais do Lar

Muitos processos seletivos de PROFISSIONAIS DO LAR ainda são subestimados e conduzidos com menos cuidados e atenção que eles merecem, e requerem para alcançar os seus objetivos. Mas ventos auspiciosos já indicam que este panorama está transformando-se positivamente, e muitas Famílias estão mais cuidadosas e organizadas na hora de contratar novos Profissionais do Lar — o desejo de aumentar as chances de ter uma contratação de sucesso, e posteriormente, uma trajetória com desenvolvimento crescente e aderência no cargo, diminuindo o turn over; que infelizmente, ocorre com muita frequência no nosso mercado do lar — é um desafio constante bem comum em todo tipo de recrutamento de PESSOAS (RH), e não poderia ser diferente no setor do lar.

Esta preocupação e desejo consomem muito dos meus pensamentos, energia, e me exige pôr em prática toda a minha sensibilidade e expertise de mercado. Unir o Profissional e a Família que tenham afinidades de perfis, e depois alinhar as habilidades e afinidades do Colaborador com as necessidades da Família, é o grande “X” da questão. Somente há sucesso na operação quando ambas as partes estão confortáveis e felizes.

Imagina que eu dedico em média 5 horas na primeira entrevista técnica (presencial) com um único Candidato, “tentando” compreender mais sobre suas habilidades; dificuldades; vocação; captar parte da sua essência e logo orienta-lo sobre a sua carreira. Além também de mapear o perfil de Família mais ideal para que ele possa desenvolver- se profissionalmente na sua melhor forma. E com a possibilidade de complementar esta etapa técnica, com a entrevista psicotécnica conduzida por um Psicólogo, que abordará outros pontos para ajudar a entender o perfil das vocações e habilidades naturais do Profissional. Então, após todo este processo poderíamos ser mais assertivos, e aumentar as nossas chances de obter ainda mais sucesso na contratação.

As fases da seleção devem ser respeitadas, assim como é praticado em qualquer outro setor corporativo.

O MERCADO DO LAR é maravilhoso, e está repleto de oportunidades para quem quer trabalhar e desenvolver-se profissionalmente, com compromisso, seriedade e assumir responsabilidades.

 Nasce o módulo de Integração de Profissionais do Lar

As queixas sobre o comportamento e a ética no ambiente de trabalho são recorrentes de todos os Clientes que me solicitam até hoje; podem absorver até 1/3 do tempo da nossa conversa durante a visita técnica in loco. Baseando-me nestas observâncias e experiências que cada Família e Profissionais do Lar compartilham comigo, eu desenvolvi o módulo de INTEGRAÇÃO. Este treinamento de introdução (instruções inicias) tem sido motivo de grande orgulho para mim, nestes anos de atuação como Mordomo-Consultor na Ruan Schayder Treinamento & Eventos.

Sem sombras de dúvidas que começar um nova empreitada laboral sentindo-se mais seguro e com conhecimento da operação (funções x preferências da Família x acolhimento) contribuem diretamente para a construção de uma trajetória profissional mais produtiva, assim como para elevar o grau do desempenho do novo Colaborador. E consequentemente, aumentando a aderência no cargo. Pois não há melhor momento para solucionar dúvidas e definir algumas diretrizes fundamentais que não seja no próprio início do novo ciclo de trabalho. Lembrando que para o recém-Contratado é quase absolutamente tudo novo, e o desconhecido sempre nos causa ansiedade, nervosíssimo, e até um certo nível de stress. E somado a este misto de emoções, ainda temos que administrar aquele sentimento de responsabilidade, e o desejo que tudo corra bem na nova oportunidade que acaba de abrir-se… realmente são muitas emoções latentes… eu por exemplo continuo sentido ”borboletas voando dentro do meu estômago” sempre que início um novo trabalho… já depois de mais de duas décadas de boas práticas no metiê de hospitalidade no setor de altíssimo padrão.

Eu considero fundamental apresentar todas as áreas da Casa já nomeando os seus setores; fazer a apresentação de todos da Equipe, explicando as funções basilares de cada um; leitura do check list de funções específicas do cargo do novo Colaborador; pontuar demandas específicas de cada Integrante da Família; entrega do uniforme e suas instruções de uso; confirmar horários importantes da Família e da Casa; reconhecimento dos utensílios e stocks do setor; procedimentos de solicitação de compras do setor; treinamento de uso de algum maquinário ou ferramenta; entrega do telefone operacional; informar datas de pagamento e procedimentos para entrega de atestados e outros; informações sobre o vale transporte e alimentação; receber documentação pendente; uso da Copa e outras estruturas dos Funcionários; uso do livro de ocorrências da Casa (LOG BOOK); informar horário e escala de almoço e lanche; tentar responder todas as dúvidas do novo Colaborador; entre outros temas próprios da Família.

Dinâmica de grupo no módulo de Ética & Comportamental na Integração

de Novos Funcionários do Lar, foto do acervo próprio

Nunca fez tanto sentido para mim a frase “ENTENDER PARA ATENDER” — que eu organicamente ressignifiquei em “ENTENDER BEM PARA ATENDER MELHOR” para definir exatamente o que eu preciso para iniciar o meu atendimento com segurança e alta qualidade — quanto neste momento crucial que é o início de uma nova trajetória e desenvolvimento profissionais.

Não obstante eu inclui o módulo Ética & Comportamental — é a blueberry do meu bolo de chocolate belga meio amargo! — que apresenta um conjunto de valores éticos que são importantes para a Família (e que representam perfeitamente às necessidades de qualquer outra estrutura social), entrelaçados com uma série de instruções sobre comportamental no ambiente de trabalho, todos baseados em regras de Etiqueta & Comportamento Social, mas entregues com uma linguagem simplificada que não deixe gaps de dúvidas sobre os temas abordados. Tudo exemplificado com a minha própria experiência de erros e acertos acumulados nas minhas duas décadas de trabalho e “resistência” no Brasil, e no mercado internacional.

O meu maior desejo é despertar no PROFISSIONAL uma consciência de manutenção constante do seu comportamental mais além do seu ambiente de trabalho, mas para a sua VIDA. Já que a Etiqueta Social por si só promove Educação orienta INDIVÍDUO, e a Educação é a ferramenta mais poderosa de inclusão social que existe. É importante destacar que este procedimento (INTEGRAÇÃO) faz parte de uma combinação de outras medidas que já devem ser previamente consideradas durante o processo seletivo — captação mais assertiva do profissional; análise técnica do curriculum vitae; avaliação técnica das habilidades e competências; comprovação de atuação

na função; checagem de referências — conforme eu já expliquei anteriormente no início da nossa conversa.

Eu, de fato, acredito que boas práticas bem realizadas (capacitação x conhecimentos x consciência) e o bom comportamento ético (educação x Etiqueta) andam de mãos dadas e são fundamentais para a construção de uma carreira e trajetória profissional mais sólidas, longevas e satisfatórias. E com o benefício da contrapartida de muitas realizações e bem estar para o PROFISSIONAL durante a sua prestação de serviços.

 A importância dos Contratantes (Donos da Casa) quando não houver Profissional para representar a Família

Originalmente, a Etiqueta Doméstica atribuía basicamente a esposa toda a responsabilidade da administração da casa , exigindo delas muitas habilidades de relações interpessoais para tratar com seus colaboradores internos, fornecedores externos, planejar jantares e eventos e toda a supervisão de manutenção da casa.

Com o passar do tempo, e as mudanças do comportamento social transformaram o conceito de viver bem que a própria Etiqueta Social ajudou a construir. As estruturas familiares, os modelos de hospitalidade e governança passam por um processo de simplificação — eu até me arriscaria afirmar que contribui para construir parte deste cenário social caótico que vivemos nos nossos dias de hoje, de escassez de gentilezas e bem pouca elegância em todos os sentidos — que representam a maior fração da nossa sociedade moderna atual.

Mas todavia, ainda que de maneira mais simples — seja na estrutura residencial mais simplificada de classe média ou nas grandes residências do mercado de altíssimo padrão — se faz necessário pôr em prática a Etiqueta na hora de integrar um novo COLABORADOR DO LAR, seguindo o cronograma de temas e demandas próprias da Família, para garantir um início produtivo. Já não é tarefa unicamente da esposa, mas pode ,e deve, ser compartilhada entre o casal, priorizando de acordo com o domínio que cada um tem daquele determinado setor, ou assunto específico da Casa.

Sem sombras de dúvidas este é o dia ideal para começar a entender as demandas reais da Casa e da Família, e como gostaria de ser atendida pelo novo Profissional — estas necessidades e preferências dão origem ao modelo de hospitalidade personalizado, que já é um outro desdobramento, que eu amaria falar sobre, em outra conversa — e conhecer as suas expectativas em relação ao desempenho e comportamental ético do novo Profissional.

O que não vale é partir do pressuposto que não é necessário falar sobre determinados pontos por parecerem tão comuns para a Família.

Aborde todos os pontos essenciais para Família , e verificando o grau de entendimento do Profissional para seguir avançando na integração.

informação é absolutamente essencial nesta fase inicial de adaptação.

A função do Mordomo, Governanta ou da (o)Administradora (or) Residencial

Faz a função que originalmente seria dos próprios Contratantes — os donos da casa — que por motivos próprios da rotina da Família moderna são delegadas a Profissionais de sua total confiança. Eles centralizam a função de realizar a INTEGRAÇÃO — faz e as honras da Família e dá as boas vindas iniciais — e conduz todo o processo de introdução de forma organizada, técnica e sem economia de detalhes.

Etiqueta Doméstica, daquilo que se concerne ao Lar

É de bom tom, que os Contratantes recebam o seu novo Colaborador para dar as boas vindas e uma palavra de incentivo; havendo ou não a figura do Profissional encarregado para dar sequência à Integração. É educado, faz parte da Etiqueta Doméstica cumprimentar a todos que chegam na nossa Casa, sejam Convidados para um evento, ou Profissionais que se desenvolverão no lugar mais íntimo e importante, que é a Casa.

O Contratante está recebendo, então ele assume a figura de Anfitrião. Ele passa a ser responsável pelo bem estar e segurança do seu novo Contratado, enquanto o mesmo estiver desempenhando suas funções com a Família.

Ao Contratante, eu sugiro que não desperdice esta primeira oportunidade de causar a sua primeira melhor impressão ao seu Colaborador. Demostrando, já de partida, que a gentileza , empatia e educação são valores prezados pela Família.

Aos meus Seletos e Estimados Leitores,

Despeço-me, deixando um abraço cordial,

O teu Mordomo Carioca Ruan Schayder

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui