MPF pede cassação da chapa de Cláudio Castro por abuso de poder político

Castro e mais 11 aliados, segundo a denúncia, usaram cargos fantasmas na Fundação Ceperj, e na Uerj, em troca de votos

Cláudio Castro - Foto: Governo do Rio de Janeiro/Divulgação

O Ministério Público Eleitoral do Rio de Janeiro denunciou, nesta quarta-feira (14/12), o governador Cláudio Castro e onze aliados por abuso de poder político e econômico em sua campanha pelo governo do estado. Reeleito, o governador é suspeito de compra de apoio político e uso da máquina pública para fins eleitorais.

Castro e seus principais aliados, segundo a denúncia, usaram cargos fantasmas na Fundação Ceperj e na UERJ em troca de votos. As investigações apontam que 27 mil cargos fantasmas foram criados, sem transparência alguma, para alocar apadrinhados de aliados do governador.

O pagamento dessa mão de obra ocorria, em sua maioria, por meio de saques de dinheiro em espécie, na “boca do caixa”, que nos primeiros meses deste ano totalizaram quase R$ 226,5 milhões.

Além disso, o MP Eleitoral suspeita que esses funcionários fantasmas devolviam uma parte de seus salários para financiar a campanha do governador eleito e de seus principais aliados, como o secretário de Governo, Rodrigo Bacellar e outras dez pessoas.

O caso, agora, será encaminhado para o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Se o TRE-RJ aceitar a denúncia e condenar a chapa de Castro, o governador pode ter seu mandato cassado, assim como seus aliados.

Na última semana, a Procuradoria-Geral da República pediu ao Superior Tribunal de Justiça para abrir um inquérito contra Castro por suspeitas de desvios de contratos da Fundação Leão XIII, que era subordinada à vice-governadoria na época em que Castro era vice de Wilson Witzel.

A PGR pediu ao Superior Tribunal de Justiça a abertura de um inquérito, baseado em uma delação contra Castro, de que o governador recebeu propina de empresários.

O pedido da Promotoria Eleitoral não impede, no entanto, a diplomação do governador marcada para esta sexta-feira (16).

Cláudio Castro foi reeleito no primeiro turno com 58,6% dos votos. Ele ainda não se manifestou sobre as acusações.

O que diz a chapa

A Coligação Rio Unido e Mais Forte informa que “vai apresentar os esclarecimentos necessários à Justiça Eleitoral, em tempo oportuno, para comprovar a conduta idônea da chapa eleita no pleito ao Governo do Estado. O governador Cláudio Castro e o vice-governador eleito, Thiago Pampolha, estão seguros de que todos os pontos levantados serão respondidos a fim de confirmar a lisura da chapa no processo eleitoral”.

Advertisement

5 COMENTÁRIOS

  1. Claudio Castro foi outro que usou e abusou do poder da caneta como governador para favorecer a sua reeleição, seguindo o exemplo do sainte do Palácio do Planalto, que mesmo com toda farra com dinheiro público perdeu as eleições.
    Agora o TSE aplicar a legislação eleitoral é obrigação e se a campanha perdedora do Planalto violou a legislação eleitoral com fakenews diárias tem que ser punida. Essa fantasia do TSE como apoiador de uma chapa é delírio de perdedor.

  2. É uma quadrilha infindável que domina a anos o governo do Estado.Punição penal branda não basta para intimidar essa gente.Tem que haver um controle pela justiça eleitoral visando impedir que tais meliantes sequer se candidatem, talvez, avaliando a vida pregressa deles ou impedindo que familiares de políticos participem do processo.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui