MPRJ denuncia Washington Reis por crime ambiental

Reis é ex-prefeito de Duque de Caxias e chegou a ser vice de Cláudio Castro durante a campanha deste ano

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

A 2ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada dos Núcleos Duque de Caxias e Nova Iguaçu denunciou à Justiça o ex-prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, e outros seis integrantes da administração pública, por crime ambiental. De acordo com a denúncia, liderados pelo ex-prefeito, funcionários da Prefeitura emitiram laudos falsos e autorizaram a construção do Cemitério Municipal de Duque de Caxias em uma área de proteção ambiental. A denúncia foi recebida pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Duque de Caxias.

A investigação teve início perante a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), através do inquérito policial nº 200-00264/2017, instaurado para apurar a supressão de vegetação nativa em área de preservação permanente, ocorrida em 14/07/2017, no trecho compreendido entre os números 3202 e 3893 da Rodovia Washington Luiz, no Parque Sarapuí. Em depoimento prestado na DPMA, uma pessoa afirmou ter tomado conhecimento, através da imprensa, de que a Prefeitura de Duque de Caxias havia efetuado o corte do manguezal e aterrado uma área de sua propriedade, para a construção do novo Cemitério Municipal.

No decorrer das investigações foram identificadas uma série de delitos e irregularidades praticadas pelo ex-prefeito. A denúncia relata a existência de um vídeo onde é possível identificar que no dia 1º de janeiro de 2017, antes de tomar posse como prefeito, Washington Reis e o seu irmão, o deputado federal Rosenverg Reis, acompanhados de homens fortemente armados, invadiram um dos cemitérios administrados pela empresa que presta serviços cemiteriais com exclusividade no município, com o objetivo de tomar à força a administração dos cemitérios na cidade.

Advertisement

Leia também

Esgarçamento da polarização direita e esquerda pode afetar eleição carioca?

Aterro Restaurado e o Fim do Pulinho de São Conrado

Além disso, ignorando que o contrato em questão envolvia concorrência pública promovida pelo município em 2011, com prazo de vigência de 25 anos, Washington, em fevereiro de 2017, editou o decreto municipal nº 6765/2017, que dispunha sobre a intervenção da Prefeitura no contrato. Como foi impedido pelo Judiciário de intervir na concessão, o ex-prefeito decidiu construir um novo cemitério, sem realizar licitação.

A denúncia do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) mostra que o cemitério foi construído em área de preservação permanente, viabilizado por laudos ideologicamente falsos elaborados por funcionários da Prefeitura. Os também denunciados Angélica Cavalcante, Márcio Flávio Silva de Oliveira e Marlos Campos Pina Cabral, no exercício do cargo de analistas ambientais, elaboraram relatório de vistoria ambiental falso, informando que 96% das espécies arbóreas encontradas no local da construção eram da espécie Leucema e Mamona, não configurando vegetação típica de manguezal. De acordo com laudos periciais elaborados pela Polícia Civil e pelo MPRJ, porém, a área é de manguezal e preservação permanente, e não poderia receber atividade altamente poluente e nociva ao meio ambiente.

Ainda segundo a denúncia, com o laudo de vistoria falso em mãos, o denunciado Célio Luís Pereira do Nascimento, no exercício do cargo de secretário Municipal de Meio Ambiente, concedeu a autorização ambiental emergencial e a licença de instalação para implementação do Cemitério, conduta determinante à prática dos crimes ambientais. Além dele, e também atendendo a uma determinação direta do ex-prefeito, os denunciados João Carlos Grillo Carletti, secretário de Obras, e Leandro Teixeira Guimarães, subsecretário de Obras, planejaram, documentaram e executaram as obras de construção.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp MPRJ denuncia Washington Reis por crime ambiental

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui