Mulheres candidatas no RJ ganham ferramenta da FGV para combater ataques digitais nas eleições

Material é um guia prático para esclarecer mulheres candidatas sobre os mecanismos de defesa em ataques sofridos no ambiente virtual

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
FGV (Foto: Reprodução Internet)

A FGV Direito Rio acaba de lançar o e-book Liberdade de Expressão e Violência Política de Gênero e Raça nas Redes Sociais. O material aborda questões como censura na internet, crimes de ódio, ameaças à violência física, perseguição, exposição de dados pessoais e uso indevido da imagem. A ferramenta é um guia sobre como os usuários, especialmente mulheres na política, podem lidar com situações abusivas online, levando em consideração a legislação vigente e possíveis responsabilizações.

A cartilha trata de casos paradigmáticos sobre violência política online contra ativistas e mulheres candidatas ou mulheres já ativas politicamente, como a atual primeira-dama Janja da Silva, e a ex-deputada federal Manuela d’Ávila e a deputada federal Talíria Petrone, que são vítimas de injúrias raciais e até de ameaças de morte.

A partir dessas análises, o material apresenta recomendações práticas para lidar com esse tipo de violência e enfatiza o papel que as próprias plataformas devem ter na amplificação das formas de combate a atos dessa natureza.

São orientações sobre o que pode ser feito legalmente, judicialmente, além dos mecanismos que são ofertados por atores do terceiro setor e canais de denúncia para que as vítimas possam recorrer contra esse tipo de conduta. Vale lembrar que este ano teremos eleições municipais, onde serão eleitos prefeitos e vereadores.

Advertisement

Coordenadora do material, a professora da FGV Direito Rio Yasmin Curzi explica que o foco do livro são pessoas ativas na área política, mas que o material também tem o condão de auxiliar qualquer um que possa ser vítima de conduta abusiva online. A cartilha conta, também, com uma sessão específica sobre imagens íntimas não consentidas, seja a gravação propriamente dita de fotos e vídeos ou a criação com o uso de Inteligência Artificial (AI).

O material traz ainda um capítulo tratando de Deep Nudes e quais são as ferramentas à disposição das vítimas para tornar esse conteúdo indisponível, elencando, inclusive, os dispositivos legais e demais canais a serem acionados:

Uma iniciativa interessante é a Stop NCII (Non-Consensual Intimate Imaging – sigla em inglês para imagens íntimas não consentidas), onde as plataformas Meta, TikTok, entre outras, atuam de forma colaborativa para alertar sobre conteúdo inadequado com mais celeridade. A própria vítima pode acionar esse tipo de canal de terceiro para inviabilizar e tornar indisponível esse tipo de conteúdo de uma forma um pouco mais rápida”, acrescenta Yasmin.

O guia, que é lançado por meio do projeto de extensão Digital Safety Program (DSP), relacionado ao Programa de Diversidade & Inclusão (PD&I) e ao Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS), também tem o objetivo de contribuir para a promoção da liberdade de expressão.

Para tal, o estudo examina de que forma as práticas dos atores das plataformas privadas acabam censurando conteúdos legítimos por falta de investimento ou má aplicação da moderação de conteúdo. E nesse sentido, a cartilha também representa uma importante ferramenta para equipar indivíduos e organizações a combater esse tipo de censura privada, fortalecendo a democracia e a participação política de todo e qualquer indivíduo.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Mulheres candidatas no RJ ganham ferramenta da FGV para combater ataques digitais nas eleições
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui