Múmia foi encontrada no Rio de Janeiro; conheça a história

O corpo mumificado foi achado no caminho para o Pão de Açúcar

A chamada "múmia de Gallotti", em uma foto tirada para análise - Divulgação / Clube Excursionista Carioca

Em setembro de 1949, cinco amigos que gostavam de fazer alpinismo subiram em direção ao Pão de Açúcar. Fizeram uma trilha que ninguém havia feito ainda e no caminho se depararam com um mistério que se desenrola pelos anos: um corpo mumificado.

A múmia do Pão de Açúcar era um cadáver de cabelos longos que estava pendurado pelo pescoço. Com 1,60m de altura, o corpo vestia um suéter sobre uma camisa de alças e não tinha identificação.

Os cinco amigos avisaram a polícia. Eles haviam começado a subir por volta das 8h e às 11h30 encontraram o cadáver. O corpo foi passado para legistas, que concluíram que não estava em estado de decomposição. Estava mumificado. Os legistas concluíram que o cadáver estava preso na montanha há aproximadamente seis meses e se mantinha conservado graças por conta do sal, da maresia e do mormaço na região.

SERGIO CASTRO - A EMPRESA QUE RESOLVE, desde 1949
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

O historiador Milton Teixeira, em entrevista à BBC, disse que acredita há uma possibilidade de se tratar de um pescador e artesão português que residiu em uma caverna, na região por onde os alpinistas subiram, nos anos 1940.

Para Rodolfo Campos, que fez um curta metragem sobre a Múmia de Gallotti (como o caso ficou conhecido à época), levanta a possibilidade de ser um caso de transfobia. “Por ser um homem vestido de mulher e ter os cabelos compridos, suspeito que fosse um travesti que, talvez, estivesse fugindo de alguém ou tentando se esconder na mata. Mas é impossível afirmar com certeza”, disse Rodolfo.

De acordo com pesquisadores, não há registro do que aconteceu com o corpo depois. A principal hipótese é que, devido à falta de documentação e reconhecimento parental no Instituto Médico Legal (IML), a “múmia” foi enterrada como indigente.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui