Museu Imperial de Petrópolis completa 80 anos de inauguração

local histórico, antiga residência de verão de Dom Pedro II, acumula um acervo com 400 mil itens que contam a história do Brasil Colônia. IBRAM afirma que museu é um dos mais importantes do país

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação/Museu Imperial

Nesta quinta-feira, (16/03), o Museu Imperial de Petrópolis completa oito décadas de inauguração e de preservação de uma época importante da História do Brasil no estado do Rio de Janeiro. O museu inaugurado em 1943 acumula um expressivo conjunto de documentos, bibliográficos, joias, fotografias, entre outros objetos, totalizando um acervo com 400 mil itens – frutos de doações, compras e transferências. Vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), ocupa todo o complexo arquitetônico da antiga casa da família imperial, tornando-se um dos mais importantes museus do país.

A construção, em estilo neoclássico, era a residência de verão preferida de Dom Pedro II e nela são guardadas memórias importantes do Brasil Império, como as coroas usadas por D. Pedro I e D. Pedro II, o colar de ametista dado de presente para a Marquesa de Santos e a pena usada por princesa Isabel para assinar a Lei Áurea.

Maurício Vicente Ferreira Júnior, diretor do museu, afirma que, por ano, as peças históricas atraem mais de 400 mil pessoas, fazendo do Museu Imperial a mais visitada das unidades museológicas do Instituto Brasileiro de Museus do Ministério da Cultura.


Dentro do acervo riquíssimo existem outros tesouros, como:

Advertisement

Leia também

Estrangeiros LGBTQIA+ estão comprando todos novos imóveis de Ipanema – Bastidores do Rio

TransBrasil inicia operações neste sábado, da Penha ao Terminal Gentileza

Coroa de D. Pedro I: Em ouro cinzelado, a peça está sem a pedraria. Os 639 brilhantes e 77 pérolas foram retirados para a confecção da coroa do herdeiro.

Cetro do ouro e brilhantes: Usado pelos imperadores D. Pedro I e Dom Pedro II pesa 2,51 quilos e tem um dragão no topo.

Marquesa de Santos: Colar de ametista foi presente de D. Pedro I, com uma carta na qual pedia que ela usasse a peça no teatro onde ele poderia vê-la.

Aliança: Anel de matrimônio de D. Pedro I e D. Amélia de Leuchtenberg.

Anel: Presente do Rei da França Luis Filipe para José Francisco Sigaud, médico francês, pelos relevantes serviços prestados no Brasil

Ordem da Rosa: A Ordem da Rosa foi criada por D. Pedro I para perpetuar a memória de seu casamento com Amélia de Beuharnais, sua segunda esposa.

Ordem de D. Pedro I: Criada em comemoração à Independência do Brasil.

Balangandã: Feita em prata com amuleto e berloques, a peça era usada em dias de festa pelas escravas baianas.

Telefone: Aparelho usado pelo imperador no Paço de São Cristóvão ou na Fazenda Santa Cruz. O Rio de Janeiro teve a segunda companhia telefônica do mundo.

Estojo de costura: Feita em cobre e marfim, a peça é revestida em esmalte azul cobalto e ornamentada com ramos de flores de ouro e prata.

E para celebrar a data, uma programação especial será feita, Confira:

16 de março
– Visitação meia entrada para todos, das 10h às 18h;

– Lançamento da exposição “A Petrópolis do Museu Imperial” às 19h (evento fechado);

17 de março
– Abertura da exposição “A Petrópolis do Museu Imperial” ao público a partir das 10h;

18 de março
– Espetáculo musical: Concerto dos gêmeos violoncelistas do Duo Santoro, às 17h;
Entrada gratuita – Ingressos limitados – Distribuídos com 1h de antecedência na bilheteria do museu;

19 de março
– Espetáculo musical: XV Sarau Café e Música apresentado pela Escola de Música da UCP, com participação do Duo Prêtas, às 11h;
Entrada gratuita – Ingressos limitados – Distribuídos pelos organizadores na entrada do evento.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Museu Imperial de Petrópolis completa 80 anos de inauguração

Advertisement
lapa dos mercadores 2024 Museu Imperial de Petrópolis completa 80 anos de inauguração
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui